Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Para medir o tamanho ´daquilo´...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)

Impressionado pelas constantes investidas na mídia digital, o incauto consumidor interiorano fez o pedido de um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” e que “satisfaria quaisquer desejos da pessoa amada”. E que prometia nada mais nada menos do que “aumentar o tamanho do pênis”.

A fornecedora era bem conhecida dele, pelos e-mails que recebia diariamente.

O “milagre” veio num pacote sem qualquer identificação do conteúdo. Quando o consumidor abriu, uma surpresa o prostrou: era uma lupa com uma potente lente de aumento.

Ele então ingressou com ação no Juizado Especial Cível, pedindo a devolução dos 350 reais que investira, além de uma reparação moral.

Na audiência, a empresa pediu desculpas pela zombaria de mau gosto, debitando o fato a um funcionário que, descoberto, já fora demitido. O juiz leigo propôs acordo: a empresa devolveria o dinheiro, entregaria ao demandante um “aumentador” e pagaria indenização de R$ 3 mil.

O autor impôs condições para aceitar o acordo: “Doutor, estou satisfeito com o volume do órgão e não preciso do dinheiro. Preciso é de mais intensidade. Proponho que me entreguem, durante dois anos, mensalmente, uma caixa com 15 comprimidos daquele remedinho azul”.

A empresa concordou e o acordo foi homologado.

Detalhe cronológico coincidente: a audiência foi em 13 de agosto de 2018 – hoje está completando um ano. Circula na “rádio-corredor” da Subseção da OAB que o consumidor está fazendo o maior sucesso nas noites interioranas.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentário
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Espaço Vital.

Se for advogado(a) ou estagiário (a), informe qual a sua Seccional da OAB e o número de sua inscrição.




Mensagem (Máximo 500 caracteres)
Não devem ser usadas palavras inteiras em maiúsculas.
Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e contiverem links serão rejeitados.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Páginas da vida com segredo de justiça

 

Páginas da vida com segredo de justiça

O réu de uma ação penal por assalto é universitário, com matrícula trancada por falta de dinheiro para as mensalidades. Chegara a trabalhar como auxiliar contábil. Mas desempregou-se em decorrência do fechamento de uma indústria. A “primeira vez” dele como assaltante terminou sendo a redenção para que, dando a volta por cima, voltasse à faculdade e concluísse o curso de Direito.

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Atenção Excelências, celulares gravando!

 

Atenção Excelências, celulares gravando!

Os dez advogados da banca estavam aborrecidos com a juizite a que ficavam expostos na vara do Trabalho presidida pelo “Doutor Guerreiro”. Reuniram-se, então, para definir a estratégia necessária à preocupante audiência, no dia seguinte, da ação de uma ex-gerente de loja contra a grande rede de expressão nacional. Resolveram gravar as falas do magistrado. Virou um caso!