Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,13 de dezembro de 2019.

No turismo, o pacote que virou embrulho



Camera Press – Imagem meramente ilustrativa

Imagem da Matéria

Chegaram até o STJ os ricochetes jurídicos de uma má prestação de serviços da CVC Agência de Viagens e de sua franqueada Beth Viagens e Turismo que frustraram, em janeiro de 2018, as férias do advogado porto-alegrense Ricardo Ribeiro, da esposa e da filha do casal, então com quatro de idade. Tendo contratado um pacote (três pessoas, R$ 23.647), de 11 dias, de Porto Alegre para Punta Cana e Panama City, a família foi claramente informada pela CVC - em mensagem por WhatsApp - de que não haveria necessidade de vacinação contra a febre amarela.

No dia do embarque (9.1.2018) o casal e a criança foram impedidos, pela Copa Airlines, de realizar o voo, por falta das carteiras de vacinação, chanceladas pela Anvisa. Os turistas tiveram que, no dia seguinte, aceitar a troca do passeio (então reduzido para oito dias), para o único resort disponível no Brasil, de 10 a 18 de janeiro: o Beach Park Resort, em Fortaleza (CE).

Pelo novo contrato a CVC se comprometeu a estornar R$ 17.711 do valor integral já pago, à vista, pelo primeiro autor – o que terminou não ocorrendo.

Sentença assinada pelo juiz Leandro Raul Klippel, da 12ª Vara Cível de Porto Alegre, deferiu reparação moral de R$ 21 mil (em conjunto), aos advogado, à esposa e à filha do casal, ao reconhecer “falha na prestação do serviço, relativamente ao dever de informação sobre a necessidade de porte de carteira de vacina contra a febre amarela, além do comprovado descaso com os consumidores”.

O julgado foi confirmado pela 12ª Câmara Cível do TJRS e também pelo STJ, onde a verba sucumbencial (que era de 15%) teve um adicional de 10%, em favor do advogado Ribeiro, que atua em causa própria e em nome dos familiares.

O reembolso da devolução dos valores referentes à diferença entre o pacote turístico contratado e aquele usufruído será arbitrado na fase de cumprimento de sentença. Incidirão correção pelo IGP-M a partir do desembolso, mais juros legais de mora de 1% ao mês, a contar da citação.(Proc. nº 70079399002).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Duas decisões que consumidores podem festejar

  Um freio à vantagem exagerada. Sentença da Justiça gaúcha determina a devolução, pela TAP, do valor pago por passagens promocionais de valor reduzido. Os viajantes são dois irmãos que iriam a Lisboa, mas um deles teve súbita recidiva de câncer.

  Não é o plano de saúde que escolhe o tratamento que deve ser ministrado. Acórdão do TJ-SP define que o fato de um medicamento receitado ser importado não afasta a obrigação de fornecimento do tratamento necessário ao paciente.

Tranqueira no céu e na pista

Obras na pista do aeroporto Santos Dumont anunciadas para o mês de agosto são necessárias. Mas vão causar congestionamentos. A Tam prefere transferir-se um mês para o Galeão.