Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 10 de julho de 2020.

Como bater metas do CNJ com três requisitos



Por Israel Berardi, advogado (OAB-RS nº 77.411)
berardiadvocacia@gmail.com

Não raras vezes o Conselho Nacional de Justiça, estabelece metas ao Poder Judiciário, a fim de que sejam julgados/baixados processos, no intuito de entregar à sociedade uma prestação jurisdicional célere e efetiva. Trata-se de tentativa de angariar a almejada meta de eliminar maior número de processos do que são ajuizados anualmente.

Ocorre que, infelizmente, cidadãos incumbidos desse mister de julgar, compreendem a meta erroneamente, apenas ‘tapando o sol com a peneira’.

Desse modo, eles estabelecem alguns critérios:

(1) Identificar demandas com objetos semelhantes;

(2) Criar um empecilho ao direito de ação;

(3) Fazer um modelo de decisão para que seja aplicada em bloco, sem analisar a causa especificamente.

O Juizado Especial Cível de Passo Fundo (RS) que, aparentemente não tem processos em gabinete para analisar, avocou diversos processos de ofício, que estavam pautados para audiência inicial conciliatória, movidos contra a Azul Linhas Aéreas. A avocação ocorreu sem qualquer manifestação da ré em tal sentido e as sentenças extinguiram diversos ações por suposta incompetência territorial, sob o fundamento de que as partes autoras não residem na Comarca de Passo Fundo.

Cabe ressaltar que os processos eram movidos por escritórios distintos.

Ocorre que no caso específico do autor a quem represento, no mesmo dia da extinção as partes já haviam formulado acordo para pôr fim à lide. É importante referir que o objeto da demanda era o cancelamento de um voo – o que ocorreu no momento do embarque - no aeroporto de Passo Fundo, cidade onde a companhia aérea também, tem sede, sucursal ou escritório.

Desse modo, o autor a quem represento opôs embargos declaratórios, questionando sobre a aplicação dos incisos I e III do artigo 4º da Lei nº 9.099/95, bem como, requerendo a homologação do acordo. E, naquela clássica decisão ‘tão velha quanto andar pra frente’, sem enfrentar os argumentos trazidos pela parte, o Juízo passo-fundense manteve a decisão, por entender não ser o caso de embargos de declaração.

Inobstante o entendimento acerca da competência relativa (que, ademais, se não arguida pelo réu pode ser fixada no local da propositura da ação), como o juízo não se manifestou a respeito do acordo formulado, o consumidor prejudicado opôs novos embargos de declaração, alegando omissão de sentença quanto à possibilidade de homologar o acordo.

Então, pasmem, foi aplicada multa de 2% pela interposição de embargos protelatórios e mais 5% por litigância de má-fé!

Primeiramente parece-me que a juíza prolatora (Rossana Gelain) sequer conhece o significado da palavra ´protelatório´ , pois qual o intuito do autor - que subscreveu um acordo para pôr fim à demanda - querer protelar o feito?!

A decisão, já atacada por recurso, beira o absurdo e possui o único intuito de obstar o amplo acesso à justiça e o direito de ação. De que adianta investimento milionário, capacitação de servidores, criar métodos alternativos para a solução de conflitos, incentivar as partes a conciliar, se no momento de homologar um acordo, ocorrem absurdos como esse!

Ainda que se entenda o intuito de dar vazão aos processos, a decisão da juíza, na prática, em nada contribui. Afinal, a magistrada diminuiu o número de processos em sua comarca, mas estará aumentando o da comarca vizinha, quando poderia ter extinto o processo por meio da homologação do acordo, e entregue às partes o direito pleiteado, constituindo assim a efetividade da prestação jurisdicional.

Ademais, aplicar multa no intuito de amedrontar os procuradores ou a parte autora é caso extremo, grave, deplorável e abusivo de juizite, com o que se espera providências da Corregedoria-Geral da Justiça e do Conselho da Magistratura do TJRS, pois é triste e desanimador ver atitudes como essa, que aqui registro e deploro.

>>>>>>>>>>
Em tempo (1) - No processo em que representamos o autor (nº 9005244-62.2019.8.21.0021) será interposto recurso inominado. Dois processos de outra colega têm decisões idênticas: são os de nºs 9005415-19.2019.8.21.0021, 9005486-21.2019.8.21.0021.

Em tempo (2) – Os operadores do Direito já sabem mas não custa repetir. Conforme dispõe a Lei nº 9.099/95 – Lei dos Juizados – onde foi ingressado com ação:

Art. 4º - É competente, para as causas previstas nesta Lei, o Juizado do foro:

I - do domicílio do réu ou, a critério do autor, do local onde aquele exerça atividades profissionais ou econômicas ou mantenha estabelecimento, filial, agência, sucursal ou escritório;

II - do lugar onde a obrigação deva ser satisfeita;

III - do domicílio do autor ou do local do ato ou fato, nas ações para reparação de dano de qualquer natureza.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Foto: Visual Hunt - Arte EV

Ressuscitem Churchill !

 

Ressuscitem Churchill !

“As pessoas estão esgotadas. Bandeiras... - ninguém atura mais esse discurso. Bandeira vermelha só no Beira Rio. E preta é lá no Corinthians. O pico já subiu e desceu inúmeras vezes. Isso parece filme pornô. Desculpem a ironia...” Artigo de José Aquino Flores de Camargo, ex-presidente do TJRS e advogado (OAB/RS nº 12.586)

O Judiciário e o avanço da mobilidade urbana

 

O Judiciário e o avanço da mobilidade urbana

“Está nos tribunais a disputa que contrapõe as versões antiga e nova de atender o mesmo público. Mas o consumidor paga até 60% a mais se comprar passagens pelo modo convencional, na rodoviária”. Artigo do advogado Jauro Gehlen.

Coabitação em tempos de quarentena e o contrato de namoro

“Muitos casais de namorados passaram a coabitar continuamente para evitar o isolamento e a forçada separação, sem, entretanto, pretender constituir uma relação de união estável, uma família, enfim, um compromisso mais sério”. Artigo do advogado Marcelo Santagada de Aguiar.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Contatos virtuais e prerrogativas

 

Contatos virtuais e prerrogativas

“Em tempos de distanciamento social, existem alternativas tecnológicas para falarmos ao vivo com juízes e desembargadores: são as mesmas que utilizamos para contatar com nossos familiares e amigos”. Assim, WhatsApp, Zoo, Google Meet, Teams, e os sistemas próprios dos tribunais. Artigo de Rafael Braude Canterji, advogado (OAB-RS nº 56.110).