Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,13 de dezembro de 2019.
https://marcoadvogado.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Odair, VAR e a apreensão do torcedor colorado



Ricardo Duarte – S. C. Internacional

Imagem da Matéria

A primeira partida da final da Copa do Brasil inverteu a importância de um aspecto que vinha alimentando o debate futebolístico: o VAR. Nas partidas anteriores vinham sendo normais extensas paralisações para consultas ao VAR, especialmente no que se refere a pênaltis.

O árbitro da partida de quarta-feira (11) demonstrou que ainda é possível decidir em campo (ou nylon), prontamente e sem errar.

E não errou.

O único lance relativamente polêmico foi aquele reclamado pênalti do Athletico, PR. O lance foi repetido inúmeras vezes na tevê, ficando evidente que o jogador adversário colocou o braço protegido pelo tórax. Com personalidade o árbitro Raphael Claus não recorreu ao VAR, aliás durante todo o tempo de jogo.

Habemus árbitro, ao menos um no Brasil em tempo de VAR.

Estávamos apreensivos diante do adversário, da sua ruidosa arena e do piso sintético. Eu já estive lá e o ruído produzido por aquela torcida é como se alguém estivesse gritando nos nossos ouvidos.

Seria, como foi, difícil o confronto. Estamos vivos, vivíssimos graças à retrospectiva no Beira-Rio e pela atuação do “São Marcelo Lomba”, um goleiro que enche a torcida de orgulho.

No momento do lance do gol, houve erro da zaga colorada, que saiu atrás do atacante.

Ontem reafirmei a minha convicção: nosso time é um time que se acovarda frente às circunstâncias adversas. Isso vem se repetindo desde as atuações no Campeonato Gaúcho, passando pelo Flamengo. Tivemos 37% de posse de bola, contra 63% do adversário, quase o dobro. No restante os números foram praticamente iguais.

Para mim, mas uma vez o Patrick deixou a desejar: ou lhe falta técnica, ou concentração.

Odair está indo muito além do que imaginávamos. Ele soube crescer na sua atividade, ou aproveitar bem a chegada do Rodrigo Caetano. Entretanto, acho que ele é vítima da cultura da retranca existente em nosso vestiário e que é imposta pelos últimos “luminares” que por lá passaram.

Ainda no domingo ouvi a entrevista de um ex-presidente retranquista juramentado, enaltecendo o “freio-de-mão” puxado na quarta então vindoura.

O que esperar do nosso atual dirigente de futebol seu confesso discípulo e seguidor?

O Odair também precisa ter um plano B diante da dificuldade e que altere a lógica do sistema de jogo.

Com humildade, cautela, competência e apoio da torcida, chegaremos lá.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O decreto da felicidade

“Renovamos a esperança de que o novo treinador acerte o time, de que surja um craque vindo da base, de que os melhores permaneçam no plantel e de que os ruins melhorem. E de que alguém - tal qual o Papai Noel da nossa infância - aporte milhões em favor do nosso Internacional”.

Aos pedaços e com pouco tempo

“Não desejo empregar a lógica do Marcelo Medeiros. Na semana passada ele afirmou em uma espécie de defesa prévia: ´Peguei o Inter na segunda divisão e se entregar na primeira e disputando a Sul Americana já seria melhor´”.

Bruno Alencastro / Google Imagens

   Vai tarde!

 

Vai tarde!

“Afinal, Roberto Melo caiu! Resgatado o vestiário, espero que rapidamente ele se refaça. Não há dúvida de que havia descontrole e crise. A postura confusa dos jogadores na partida com o Goiás foi prova disso”.

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.