Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,13 de dezembro de 2019.
https://marcoadvogado.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O fenômeno Flamengo



Reprodução Globo Esporte

Imagem da Matéria

O futebol carioca já viveu o seu apogeu. O Rio foi sem dúvida a capital brasileira do futebol. Além de um dos maiores estádios do mundo, lá estavam sediados os principais clubes. A simpatia pelos grandes contaminava o restante do país. As exceções: Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais. No restante o time do coração era o Flamengo, ou o Botafogo, ou o Vasco.

Depois, vieram os grandes clubes paulistas, expandindo a sua preferência pelas demais regiões. Todos eles contam com torcidas imensas, realidade que teve início graças às transmissões radiofônicas dos jogos em ondas curtas.

A grandiosidade numérica não representou organização e estruturação. O que ocorreu nos clubes cariocas foi de chorar. A falta de seriedade dos dirigentes, a instrumentalização política e os desvios financeiros acarretaram uma verdadeira debacle. Ao mesmo tempo, clubes como o Internacional, São Paulo e Athlético Paranaense passaram a viver novos tempos. Finanças organizadas, bons estádios, pagamento em dia dos jogadores, etc. O Rio perdeu o seu protagonismo que, evidentemente, levou à escassez de títulos.

O Flamengo, estabeleceu no passado uma parceria com a Unimed. Como a Unimed Rio está praticamente quebrada, o Flamengo viveu um dos seus piores períodos. Mas o Flamengo que vemos agora parece ter acertado a mão. Contratou bons jogadores, trocou de técnico que está fazendo chover. Tem chances efetivas de ser o campeão brasileiro e finalista da Libertadores da América.

Fica a lição: a boa administração do clube tem reflexos no futebol - e o futebol permite que a administração colha resultados.

Nitidamente o Flamengo vem recuperando a hegemonia. Se isso continuar, é imprevisível o tamanho que pode assumir o clube carioca.

Sobre Flamengo x Internacional, na quarta-feira, apenas um comentário: foi pênalti no Guerrero e o nosso prejuízo foi grande.

Aguardemos os próximos jogos do Flamengo.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O decreto da felicidade

“Renovamos a esperança de que o novo treinador acerte o time, de que surja um craque vindo da base, de que os melhores permaneçam no plantel e de que os ruins melhorem. E de que alguém - tal qual o Papai Noel da nossa infância - aporte milhões em favor do nosso Internacional”.

Aos pedaços e com pouco tempo

“Não desejo empregar a lógica do Marcelo Medeiros. Na semana passada ele afirmou em uma espécie de defesa prévia: ´Peguei o Inter na segunda divisão e se entregar na primeira e disputando a Sul Americana já seria melhor´”.

Bruno Alencastro / Google Imagens

   Vai tarde!

 

Vai tarde!

“Afinal, Roberto Melo caiu! Resgatado o vestiário, espero que rapidamente ele se refaça. Não há dúvida de que havia descontrole e crise. A postura confusa dos jogadores na partida com o Goiás foi prova disso”.

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.