Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 22 de maio de 2020.
https://marcoadvogado.com.br/images/metaforense_4.jpg

Babados do STF



Google Imagens

Imagem da Matéria

- Boa noite, telespectador. Está acontecendo, neste instante, um dos julgamentos mais esperados da atualidade, que é aquele em que o STF vai decidir se a prisão antes do trânsito em julgado é constitucional ou não.

Após uma breve pausa, o âncora do telejornal prossegue:

- Acompanhando esse importante julgamento está a nossa ex colunista social que, agora, formada em Direito, virou setorista para assuntos jurídicos, a Doutora Sonsa Bocassolta. Boa noite, doutora.

A câmera corta para a setorista que transmitia, ao vivo, em frente ao imponente prédio do STF:

- Boa noite, genteee! Aqui em Brasília: ba-ba-dos! Se eu soubesse, antes, que aqui era assim, teria estudado Direito há muito tempo!

- Como assim, Sonsa? O que você presenciou, por aí? – indaga, o âncora.

- Vamos começar pelo bafão do momento: depois de quase morrer pela manhã, com a pressão arterial alterada, o ministro Marco Aurélio conseguiu reunir forças para comparecer à sessão e criticar a Procuradoria Geral da República, a Advocacia Geral da União, os ministros Dias Tóffoli, Gilmar Mendes e Luiz Fux! E isso que ele estava combalido! Há quem diga que, se estivesse saudável, Marco Aurélio teria conseguido criticar a unanimidade do plenário!

- Muito bem, mas, Sonsa, o que ficou decidido por aí, hoje? – indaga o âncora.

- Olha, ficou decidido que o ministro Marco Aurélio odeia o tal do plenário virtual do STF. Genteeee! Ele olhou feio para um procurador que o pressionou a usá-lo!

O apresentador tenta manter uma abordagem formal.

- Mas se falou da matéria propriamente?

- Só quem falou sobre a matéria foram os advogados das entidades que entraram com a ações e os ´amicus curiae´.

- E o que são ´amicus curiae´? – Indaga o âncora.

- São os ´amigos da corte´, ou seja, terceiros que possuem profundo interesse na causa que está em discussão. Olha, a corte está cheia de amigos, viu? Todos defendendo a aplicação literal da Constituição.

- Não entendi. Tem alguém que não quer a aplicação literal da Constituição?

- Ora, o povo, tolinho! O povo quer ver os corruptos no xilindró, e morre de medo que, com a aplicação da Constituição, alguns presos da Lava-Jato sejam soltos - assevera Sonsa, como se falasse o óbvio.

- Estranho. Eles não percebem que a questão deve ser considerada de maneira mais ampla, e que flexibilizar uma garantia fundamental pode dar margem a restrições de outros direitos garantias prejudicando a eles próprios, na medida em que enfraquece o Estado Democrático de Direito?

A repórter franze o cenho, desaprovando a pergunta tão técnica e sóbria, em plena sua inserção. Mas logo ela abre um sorriso e continua com o ti-ti-ti:

- Claro que não! O povo quer bafão, é ou não é, genteee?! Mas semana que vem tem muito mais: tem Marco Aurélio com a corda toda, tem Gilmar, tem Lewandowski, ihhh, muito melhor do que os meus tempos de fuxicos!

E depois dessa colocação a transmissão volta para o estúdio, onde o jornalista, sem nunca perder a compostura, pontua:

- A qualquer momento, voltaremos com mais babados do STF.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Chargista DUKE

   A live jurídica

 

A live jurídica

Em tempos de isolamento social, a equipe de um excelente escritório de advocacia realiza uma reunião à distância, via plataformas digitais. O dono do escritório, agressivo e truculento, ordena: “Façam uma livre sobre qualquer porcaria, já e agora”.

Arte EV sobre foto Freepik

Teoria da (Im)previsão

 

Teoria da (Im)previsão

Filha de um grande jurista já falecido, a advogada recém formada - buscando orientações sobre o rumo que deveria dar à sua carreira - procura uma cartomante. Recebe, então, a dica: “Convide 19 colegas e abra um escritório para ajuizar ações com base na cláusula rebus sic stantibus”.