Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,13 de dezembro de 2019.
https://marcoadvogado.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Torçamos por vagas – é o que nos resta em 2019



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Os clubes do Rio Grande do Sul foram os primeiros a atribuírem importância à Libertadores da América. Muito depois é que no restante do país a conquista da Libertadores passou a ser perseguida, especialmente por conduzir ao Mundial Interclubes.

O “mister” Jesus, vem mostrando ao futebol brasileiro que é época de derrubar dogmas, quase sempre criados em favor dos boleiros ou da reserva de mercado de trabalho dos treinadores brasileiros e da intensidade de ruidosos negócios.

Eu testemunhei a enorme resistência desencadeada com a contratação do Jorge Fossati pelo Internacional.

Um exemplo claro da derrubada dos dogmas, é o rompimento com o costume reinante da escolha por uma competição em detrimento de outras, poupando os jogadores titulares. Já escrevi aqui que o risco de poupar, escolhendo competição, pode levar à realidade gaúcha: os dois grandes foram eliminados da disputa que leva aos grandes títulos.

Internacional e Grêmio adotaram esse método e hoje pagam o preço. A temporada está chegando ao fim e nada mais resta, a não ser lutar por uma vaga entre aqueles que disputarão a Libertadores de 2020.

O Jorge Jesus promoveu uma virada no Flamengo. Aquilo que era improvável - dominar o vestiário no ambiente do futebol carioca - se revelou plenamente possível. Hoje, o mister Jesus é cogitado como solução para treinar até mesmo a seleção brasileira.

Quanto a não poupar jogadores, é óbvio que isso implica em contar com um plantel amplo e qualificado. Embora pareça difícil, aparentemente remetendo às condições financeiras, não é bem assim. Se listarmos as contratações realizadas pelos clubes da paróquia, avaliando quantidade, qualidade e custo, verificaremos que é meramente uma questão de escolha.

Não é por insistência verbal em entrevistas, ou por decreto que uma equipe será reconhecida como a melhor do futebol brasileiro. Essa condição decorre dos resultados obtidos. O primeiro dos indicativos é o número de vitórias e o segundo diz com as derrotas. Elas são inevitáveis, mas não precisam ser vexatórias.

Um treinador é competente quando faz aqueles que não estão jogando bem, jogarem. Com isso também abandonando o cacoete de optarem por soluções mágicas, milagrosas, escalando reconhecidas ruindades para os jogos decisivos. Como ensina a realidade: de onde menos se espera é que não sai nada mesmo.

Parabéns ao Flamengo, esperando que vença o River, pois isso poderá ser determinante para que o nosso Internacional venha a ter um técnico promissor o quanto antes.

Torçamos por vagas, pois é o que resta na temporada.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O decreto da felicidade

“Renovamos a esperança de que o novo treinador acerte o time, de que surja um craque vindo da base, de que os melhores permaneçam no plantel e de que os ruins melhorem. E de que alguém - tal qual o Papai Noel da nossa infância - aporte milhões em favor do nosso Internacional”.

Aos pedaços e com pouco tempo

“Não desejo empregar a lógica do Marcelo Medeiros. Na semana passada ele afirmou em uma espécie de defesa prévia: ´Peguei o Inter na segunda divisão e se entregar na primeira e disputando a Sul Americana já seria melhor´”.

Bruno Alencastro / Google Imagens

   Vai tarde!

 

Vai tarde!

“Afinal, Roberto Melo caiu! Resgatado o vestiário, espero que rapidamente ele se refaça. Não há dúvida de que havia descontrole e crise. A postura confusa dos jogadores na partida com o Goiás foi prova disso”.

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.