Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 22 de maio de 2020.
https://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_17.jpg

As duas espécies de prescrição penal e a esperança dos condenados na Lava-Jato



Arte EV sobre foto Visual Hunt

Imagem da Matéria

 A conversa fiada de Toffoli

A lei, em regra, é feita para valer para o futuro – não é necessário ser doutor em Direito para saber. A regra adotada pelo ordenamento jurídico é de que a norma não poderá retroagir; ou seja, a lei nova não será aplicada às situações constituídas sobre a vigência da lei revogada ou modificada. Trata-se do princípio da irretroatividade.

Se aprovada, a proposta de Dias Toffoli para impedir (?) prescrições em processos penais que estiverem aguardando o trânsito em julgado no STJ ou STF, ela só alcançará as ações de crimes cometidos após a publicação da pretendida nova lei.

Em síntese: a ideia do presidente do Supremo não se aplica a réus da Lava Jato. Claro...

Em outras palavras – e espancando a conversa fiada do presidente do STF - todos os que foram apanhados nos desdobramentos da “república de Curitiba” poderão seguir recorrendo até a prescrição.

  O factoide de Toffoli

Em reforço à linha do que o Espaço Vital sustenta na nota acima, é precioso invocar a análise feita por Silvana Batini, procuradora regional eleitoral no Rio de Janeiro e professora da FGV Direito Rio, em artigo publicado nesta mesma edição do Espaço Vital.

Escreve ela: “O ministro Toffoli parece querer evitar o desgaste que a Corte sofrerá, caso derrube sua própria jurisprudência e proíba a execução das penas após segunda instância. Mas ele avaliou mal sua estratégia” – diz Silvana.

A jurista expõe um raciocínio nuclear:

“Existem no Brasil duas espécies de prescrição penal: um prazo para condenar, e outro para fazer o réu cumprir a pena. A proposta de Toffoli sugere suspender apenas a primeira delas, a prescrição da pretensão condenatória. Depois de julgados todos os recursos em todas as instâncias, descobre-se que ocorreu a prescrição da pretensão executória: o Estado perdeu o prazo para executar a pena, porque este não estava suspenso. E jogou-se trabalho e dinheiro público fora”.

A propósito, o ministro Toffoli conhece bem esse problema, porque tem sob sua relatoria o recurso extraordinário de repercussão geral nº 788. Nos modorrentos autos se discute exatamente a necessidade de se adequar a contagem da segunda espécie de prescrição à lógica do sistema constitucional brasileiro.

O respectivo recurso especial virou suprema tartaruga e aguarda ser julgado desde 2015. É só conferir! (ARE nº 848.107).

 A dolorosa traição

O Conselho Nacional de Justiça arquivou um procedimento protocolado pela ex-cônjuge de um juiz federal do TRF da 1ª Região. Textualmente ela verberou o prejuízo à jurisdição, “porque meu ex-marido se ausentou injustificadamente do local de trabalho para ir a um motel na companhia de outra pessoa”.

A escapada – flagrada e lamentada (até rimou...) - resultou na separação do casal.

O corregedor nacional Humberto Martins concluiu que “por mais doloroso que seja a traição para a ex-esposa, ela não resultou em negligência à atividade jurisdicional – que estava em dia e em aparente normalidade administrativa”.

O comprovado é que a decisão do corregedor chancela que “o juiz, como agente político que é, não se sujeita a uma jornada diária rígida, nem tampouco existe norma que lhe obrigue a uma determinada quantidade de horas de trabalho”.

Há controvérsias. Mas há segredo de justiça garantido.

 O incomparável Maia

A Câmara Federal comandada por Rodrigo Maia (DEM-RJ) vai gastar até R$ 340 mil para comprar 267 eletrodomésticos. Conforme o edital da licitação, serão 87 televisores de diferentes polegadas (32, 40, 50, 70).

A lista inclui ainda 20 frigobares (R$ 1 mil cada), dez refrigeradores duplex (R$ 3,5 mil cada), nove micro-ondas de R$ 542. Pra arrematar, ventiladores, cafeteiras e circuladores de ar mais baratinhos.

Lembram daquelas campanhas publicitárias, no estilo de “O Patrão enlouqueceu”?

Pois é isso mesmo...

  Compensação ?

As empresas terão que assumir as despesas com o afastamento dos funcionários por motivo de doença, antes mesmo da realização da perícia do INSS. Em compensação (?), os empregadores poderão abater o gasto no valor de tributos e contribuições a recolher para a Previdência.

O dispositivo foi aprovado, na quarta-feira (30) pela comissão mista do Congresso que analisa a Medida Provisória nº 891. Esta também fixa a antecipação da metade do 13º salário em agosto a aposentados e pensionistas do INSS.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV sobre

Justiça gaúcha intima ex-deputado Jean Wyllys por edital

 

Justiça gaúcha intima ex-deputado Jean Wyllys por edital

•  Ele é acionado por uma empresa de Porto Alegre (RS) que obteve decisão judicial que obriga o ex-político a publicar retratação.

•  Marco Aurélio decide que ação contra Onyx Lorenzoni deve continuar no TRE-RS.

• Quinze clubes - incluindo a dupla Gre-Nal - realizaram 1.000 testes para saber se atletas e comissões técnicas estão infectados pela Covid-19. Resultado: 76 testes positivos.

• Acordo no dissídio da Casa da Moeda garante: não faltarão cédulas.

Visual Hunt - Imagem meramente ilustrativa

A controvérsia dos anúncios discriminatórios oferecendo emprego e estágio

 

A controvérsia dos anúncios discriminatórios oferecendo emprego e estágio

• Ação que tramitou na Justiça do Trabalho desde fevereiro de 2007 vai agora - 13 anos depois - para uma vara cível.

 Provimento do TST ao recurso da Folha de S. Paulo que tinha sido condenada a pagar R$ 1,5 milhão.

 De quem é a marca iPhone? A briga judicial entre Gradiente e Apple chega ao STF.

Difini: o desembargador gaúcho que alertou sobre o “uso indiscriminado dos depósitos judiciais desde 2005”.

YouTube / reprodução

A sátira a um sepultamento: um acontecimento divino, ou profano?

 

A sátira a um sepultamento: um acontecimento divino, ou profano?

A repercussão nas redes sociais sobre insólito acontecimento - regado a champanha e dança - num restaurante de Gramado (RS).

 Senado vai votar projetos que miram nos lucros dos bancos.

 A notória Andrade Gutierrez escolhida em Portugal para obras no metrô lisboense.

 Não cheguem perto dos senadores: 296 seguranças para proteger as Excelências.

 Futebol jurídico: o novo filão que cobra adicional noturno e pagamento diferenciado pelos jogos aos domingos e feriados.

 Rosângela Moro pede dispensa do Conselho Nacional de Incentivo ao Voluntariado.

Seat Maestro

Antecipação de tutela obriga Latam a repatriar idosos gaúchos retidos na Austrália

 

Antecipação de tutela obriga Latam a repatriar idosos gaúchos retidos na Austrália

• Claudio e Cleonice Weiand estão confinados em Perth, na Austrália, desde 8 de abril.

 A prevalência de interesses superiores: Rodrigo Maia não fala mais na votação da PEC da prisão em segunda instância.

• STF julga na sexta-feira (15) mandado de segurança envolvendo uma obra de Monteiro Lobato: “Referências ao negro com estereótipos fortemente carregados de elementos racistas”.

• Condenação penal de promotor gaúcho que adquiriu bens de massa falida em ação falimentar em que atuou.

Imagem Visual Hunt - Edição: EV

A crescente lentidão processual, porque só 23% dos processos são eletrônicos

 

A crescente lentidão processual, porque só 23% dos processos são eletrônicos

 Numa corrida entre uma tartaruga, um caramujo e uma lesma - quem chegaria em primeiro e quem seria o último?

 Na jurisdição penal no RS, a prevalência do papel sobre o digital.

 José Sarney sobre Bolsonaro: “Ele deveria entender que o cargo de presidente pressupõe engolir todo dia uma rã pequena e, de vez em quando, um sapo mesmo”.

 O ladrão de celular que pretextou estar apaixonado pela vítima.

•  Cármen Lúcia nega seguimento a HC interposto por advogado em favor de Bolsonaro

Nelson Jr./SCO/STF

Marco Aurélio propõe a Toffoli que atos de outros poderes sejam julgados pelo Plenário do STF

 

Marco Aurélio propõe a Toffoli que atos de outros poderes sejam julgados pelo Plenário do STF

 Pedido de alteração do Regimento Interno para restringir as decisões monocráticas sobre a atuação de outros Poderes.

 Calendário e liturgia inexoráveis: Alexandre de Moraes será o presidente do Tribunal Superior Eleitoral nas eleições presidenciais de 2022.

 Quem foram os clientes notórios do advogado que defenderá Sérgio Moro.

• Não é fake: o que pode ocorrer de mais desagradável durante uma cerimônia fúnebre?

 Trabalho remoto para assessores do STF até janeiro de 2022: “prevenção ao contágio”.

 Nunca antes na história deste país tinha havido tantas alterações nas buscas feitas no Google...