Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 22 de maio de 2020.

Serviços (in) eficientes de cama



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Segunda quinzena de agosto de 2019, época da Expointer de Esteio, fazendeiro do interior gaúcho, após ali tratar de assuntos comerciais, dá uma esticada nas bandas da avenida Farrapos, em Porto Alegre. No local escolhido, senta-se, pede uns “belisquetes” (azeitonas, amendoins, etc.) um destilado, e outros mais...

Já alegre, entretém-se libando com uma dama da noite. Ao alinhavar o programa, ela antecipa que “não aceita cartão”. Impasse: o provecto cliente só dispõe de dinheiro, em espécie, para pagar o táxi de volta ao hotel em que está hospedado, em São Leopoldo.

Conversando, estabelecem o pagamento antecipado com “cheque ouro do BB” – e, assim, a dupla ruma para o pernoite.

Na manhã seguinte – passado o ´efeito orloff´ - dando-se conta de quão alta fora a tarifa dos “serviços prestados de cama”, arrependido ante a iminente compensação do cheque de R$ 5.000 - o fazendeiro dá ordem ao banco para sustar a cártula.

A percanta, sentindo-se lesada, logo ajuíza ação no Juizado Especial, buscando o pagamento dos "efetivos serviços prestados de cama e entretenimento sexual". A contestação sustenta que “as tarefas do prazer carnal não foram proporcionadas na conformidade com o combinado”.

A jovem juíza leiga – de poucas horas no currículo – expõe o impasse ao eficiente juiz togado, que assume a solução jurídica da quizila.

- Deixa comigo! Nada de audiência de instrução para ouvir supostas testemunhas! Vou julgar antecipadamente! – assevera o ativo magistrado.

E assim, no mesmo dia sai a sentença que condena o réu ao pagamento do valor da cártula, “ante a efetiva prestação dos serviços, e cujo detalhamento não cabe aqui avaliar”.

Correção monetária a partir da data aposta no cheque; juros desde a citação inicial; negado o segredo de justiça pedido pelo réu. Sem recurso, há o trânsito em julgado e o débito é pago. “Arquivem-se os autos” – arremata o juiz.

O fazendeiro e seu advogado só se tranquilizam quando têm a certeza do arquivamento, convictos de que a controvérsia não tinha vazado para o Espaço Vital...

He, he, he...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O automóvel da “potranca” da esquina

 

O automóvel da “potranca” da esquina

“O comportado líder cooperativista, pai de família respeitado e dinheiro sobrando na conta bancária, engraça-se - na média cidade - por uma comerciante local, premiada por Deus em termos físicos. E a presenteia com um automóvel. Um engano da loja de carros na entrega põe tudo a perder”. O texto é de Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Viagem na maionese jurídica

 

Viagem na maionese jurídica

“O cidadão gaúcho foi ao supermercado exclusivamente para comprar um sachê de maionese. Pagou R$ 6 e ao chegar em casa constatou que a embalagem e o cupom de caixa mencionavam 500 gramas. Mas o peso real era de 260g. ´Abalado´, o consumidor contratou três advogados para a ação por dano moral”.

Charge de Gerson Kauer

´Número 1, ou número 2?´

 

´Número 1, ou número 2?´

“O título do Romance Forense de hoje tem nada a ver com os dois primeiros dos quatro filhos de notório político. É uma história que se passa em uma distribuidora farmacêutica, irredutível no controle dos empregados, de ambos os sexos, nos momentos em que vão aos banheiros”.

Charge de Gerson Kauer

Quem quer ser atriz na televisão?

 

Quem quer ser atriz na televisão?

O anúncio nos classificados do jornal foi insinuante: “Empresa com 15 anos de credibilidade busca atrizes sem experiência, para trabalhos em programas de tevê. Garantimos (100%) pelo menos uma participação”. Ao chegarem no Rio de Janeiro, as candidatas tinham que marcar e assinar num formulário:

( ) Sim, aceito fazer nu;

( ) Não aceito fazer nu.

Charge de Gerson Kauer

O processo sigiloso do ano

 

O processo sigiloso do ano

Era terça-feira 14, quando o Espaço e o Vital receberam um telefonema: “Chegou no tribunal a causa do ano, coisa de mais de R$ 1 milhão, reclamatória de uma cuidadora de idosos, contra uma jurista notória, seu irmão fazendeiro e a veneranda senhora mãe de ambos”.