Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,13 de dezembro de 2019.

Advogada gaúcha que incitou ao estupro das filhas de ministros se retrata



Facebook (reprodução)

Imagem da Matéria

O presidente da OAB-RS, Ricardo Breier, encaminhou na segunda-feira (11), ofício ao Tribunal de Ética e Disciplina da entidade, pedindo imediatas providências contra a declaração da advogada gaúcha Claudia Teixeira Gomes em redes sociais.

Nas redes, no fim-de-semana, a advogada emitiu conclamação a “que estuprem e matem as filhas dos Ordinários Ministros do STF”. Para a direção da OAB-RS, tal manifestação contém incitação à violência e vai na contramão da postura exigida a um profissional representante da cidadania.

“Incitar, publicamente, a violência é atentar contra as boas práticas de conduta que regem o Estado Democrático de Direito, ainda mais vindo de uma advogada que presta juramento no qual está decretado o seu papel em defesa da constituição”, afirma o dirigente da Ordem.

Breier solicitou urgência ao Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-RS no encaminhamento e solução. E também encaminhou ofício ao presidente do STF noticiando a ação da entidade.

O decano do STF, ministro Celso de Mello, avaliou haver “crime neste tipo de pressão irracional que a corte vem sofrendo”.

"A que ponto chegam o ódio cego e visceral, quando não patológico, a irracionalidade do comportamento humano e o fundamentalismo político daqueles que, podendo legitimamente criticar, de forma dura e veemente, posições antagônicas, optam, no entanto, por incitar práticas criminosas, conduta essa que constitui, ela própria, o delito de incitação pública ao crime, tipificado no artigo 286 do Código Penal e perseguível mediante ação penal pública incondicionada!”, disse o ministro.

Retratação da advogada

Ontem (11) à tarde, a advogada postou nas redes sociais uma longa retratação. Ela reconhece o equívoco cometido e ressalta tê-lo feito como mulher e cidadã brasileira, e não como advogada.

“Sei que foram pesadas e duras as minhas palavras utilizadas em minha postagem – mas aforam feitas ante o risco que vivíamos de ter nossa sociedade invadida novamente por facínoras de calibre de estupradores e assassinos já presos” – é outra das passagens da retratação.

Claudia Teixeira Gomes pondera, textualmente, “já ter sido vítima de um crime hediondo como o estupro, cerca de 20 anos atrás – e me negava a crer, a querer vivenciar, ou mesmo voltar a ficar exposta à possibilidade de todo este terror, novamente de forma passiva”.

Atuação em Montenegro (RS)

Sem confirmação oficial, Claudia teria escritório profissional na cidade de Montenegro (RS). Ali, também é conciliadora no Juizado Especial Cível da comarca.

Uma pesquisa feita, hoje (12) cedo, no saite da OAB-RS apresentou resultado negativo sobre o endereço profissional da advogada. Nem mesmo o número de sua inscrição profissional foi encontrado.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli – Foto Camera Press

Enfrentando uma poderosa elite

 

Enfrentando uma poderosa elite

Reunião de quatro movimentos de advogados que estão insatisfeitos com os rumos tomados pelo Conselho Federal da OAB. Um manifesto à população brasileira adverte que “laborar exclusivamente nas falhas e nulidades processuais, nas brechas da lei, e nas medidas protelatórias que visam atrasar a prestação jurisdicional, desvirtua a lógica jurídica”.