Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 22 de maio de 2020.
https://marcoadvogado.com.br/images/escreva_direito_2.jpg

O jeito de escrever nos meios eletrônicos



Arte EV

Imagem da Matéria

Com o advento da Internet, surgiu o que se chama de internetês, que se pode definir como a escrita que imita a fala coloquial. Por ser uma tentativa de imitação da fala, essa forma de escrita assume algumas características muito próprias. Destacam-se apenas algumas:

- Rapidez. Não se consegue imprimir na escrita a mesma velocidade da fala, razão por que se eliminou tudo o que pode emperrar a produtividade da digitação: abrevia-se quase tudo (exemplos: Atenciosamente virou Att., você virou vc., que virou q., e assim por diante), acentos e diacríticos foram eliminados, assim como os elementos de ligação (preposições) e a questão das iniciais maiúsculas (ou se escreve tudo em minúsculas ou tudo em maiúsculas), entre outras medidas espontaneamente implementadas.

- Gíria. Assim como na linguagem oral coloquial, usa-se muita gíria (cada tribo tem a sua).

- Falta de precisão e clareza. Ao converter a fala para a escrita não se conta com as manifestações corporais (gestos, sorrisos, caretas e outros movimentos); isso, somado ao fator pressa, faz com que o internetês perca em precisão e clareza, suscitando muitos entraves na comunicação.

- Superficialidade. Deduz-se do exposto que essa forma de comunicação prima pela superficialidade.

É fácil concluir que o ambiente do fazer jurídico está em extremo oposto, de formalidade, de profundidade no pensamento, de argumentação, portanto muito distante do internetês, que é legítimo apenas nas comunicações em ambientes pessoais, familiares e sociais.

Mas, e os processos eletrônicos, o que têm de diferente em relação aos tradicionais processos em papel? Mudou apenas o suporte, que passou do papel para a tela do computador. A forma de escrever em nada se modificou; nada tem a ver com o internetês. Aliás, se este é uma tentativa de imitação da fala coloquial, a escrita jurídica seria a imitação da sustentação oral feita nos tribunais, que nada tem de semelhante com a fala coloquial.

Concluindo, mais uma vez é preciso discernimento.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV sobre

O hífen como marca de significado

 

O hífen como marca de significado

A função do hífen em palavras compostas é informar sobre mudança no significado; é uma forma de alertar o leitor para que ele não interprete a expressão ao pé da letra, que o sentido é figurado.

Arte EV

Atenção aos leitores

 

Atenção aos leitores

Interessantes questões suscitadas por quem nos acompanha:

1. Vírgula antes de “etc.
2. A princípio / Em princípio
3. Bairro Centro / Bairros centrais
4. Em nível de / A nível de.

Arte EV

Como lidar com palavras estrangeiras

 

Como lidar com palavras estrangeiras

Por ter sua origem no Direito Romano, expresso originalmente em latim, a linguagem jurídica sofreu a natural influência dessa injustamente chamada língua morta, subsistindo até hoje dezenas de expressões latinas. Exemplos: “data venia”, “in dubio pro reo”, “erga omnes”, “habeas corpus”, “ab initio”, “a quo”, etc. 

Edição EV sobre imagem Visual Hunt

As qualidades do texto moderno

 

As qualidades do texto moderno

Pior é esta forma ainda usada para a despedida: “Nada mais havendo a tratar, aproveitamos a ocasião para renovar nossos protestos da mais alta estima e distinta consideração”. Troque esta ladainha por “atenciosamente”, ou “atenciosas saudações”.