Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,13 de dezembro de 2019.

Minhas decepções com a OAB de São Paulo!



Por Adriana Cristina Silveira Kuwana, advogada (OAB-SP nº 167.276).
drisilveira@aasp.org.br

Sou advogada militante há 20 anos. Tenho orgulho de minha profissão. Considero-me um soldado do Direito.

Sou aquela que está entre os primeiros no 'front" de batalha. Sujeita a baionetas, tiros, granadas e campos minados; tudo em prol dos meus clientes.

São defesas, ataques, interpelações... tudo ao meu alcance para melhor defender o direito e a justiça – o que me é garantido constitucionalmente.

Isto exposto, passo ao desabafo.

Um dia destes, recebi uma Intimação (via D.O.E ) remetida pela OAB-SP e, em um olhar mais atento, percebi que havia sido enviada pela tesouraria da entidade para diversos advogados. Eu estava relacionada por ter – dentre muitos - me esquecido de pagar parcelas do acordo - oriundo de inadimplência (não deliberada).

Confesso que fiquei estarrecida. Nunca fui bem tratada pela entidade de que tanto me orgulho de fazer parte e isto me pareceu uma nova afronta. Explico e enumero os motivos.

1 - Há cerca de dez anos fui destratada e achincalhada por um juiz durante a defesa de um cliente. Procurei meus direitos e, ao relatar o que ocorrera, recebi da estagiária (grifei) que me atendeu no Setor de Prerrogativas da Casa do Advogado de Santo Amaro (SP) a singela resposta: “Este juiz é chato mesmo, todo mundo reclama. É melhor não mexer pois ele não sairá dessa vara tão cedo”.

Tentei falar com um dos advogados dirigentes daquela subseção e soube que não era dia de plantão (!)...

Fui avante e resolvi o problema por meus próprios meios. Reverti a decisão e passei a ter em mente que pouco poderia contar com a entidade representante dos advogados.

Passou. Engoli.

2 -No início do ano corrente, entendi que precisava de meu órgão profissional novamente. Eu estava em uma 'briga' com o TJ-SP, por entender absurda a juntada de inquéritos policiais digitalizados aos processos criminais sem a assinatura das partes que tivessem participado do ato (policiais, autoridades, testemunhas, vítimas ou advogados). No meu entendimento isto geraria incertezas, dúvidas quanto à legalidade do ato e, no pior cenário, fraudes processuais.

Não esqueçam que estamos vivendo tempos bicudos.

Clamei ao órgão de classe a que tanto me orgulho de pertencer e, meses depois (após eu ter resolvido o problema por meus próprios meios) recebi um lindo Sedex com o timbre da OAB-SP contendo um texto sucinto e pouco claro, dizendo que não cabia razão ao meu apelo!

Sei que estou me alongando, mas tenho que questionar as ações do órgão que pertenço:

* O que eles estão fazendo por nós, os soldados?

* Por qual motivo estão permitindo que sejamos vítimas de preconceito?

* Por qual motivo nos abandonaram à própria sorte? Será que entendem que uma rara e tumultuada sessão de desagravo cura as feridas do 'front'?

Ainda que saibamos (por entendimento literal da CF/88) que somos indispensáveis à justiça, continuam a permitir que sejamos confundidos com nossos clientes, os réus - sejam eles acusados de delitos hediondos ou simples devedores de instituições financeiras que cobram juros extorsivos.

Infelizmente, tenho presenciado recém-formados que têm orgulho de passar na difícil prova da OAB mas não ostentam o mesmo sentimento quando se apresentam como advogados. As agruras relacionadas me fizeram questionar o grande poder concedido por meu Órgão de Classe aos tesoureiros, estagiários e recepcionistas que impedem nosso acesso àqueles que deveriam nos apoiar e ajudar e fomentar a defesa das nossas prerrogativas.

Concluí que tenho orgulho em ter soldados, como eu, por aliados, afinal é no ‘front’ que eles se ajudam. Os generais ficam distantes, longe das batalhas.

Quanto aos tesoureiros, estagiários e recepcionistas, com grande poder, usei do meu PRECONCEITO e os ignorei com a mesma veemência como fui ignorada por minha entidade de classe.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Não há como definir raça negra de modo objetivo

“Mais exequível para facilitar o ingresso nas universidades públicas de modo justo seria ter critérios de baixa renda familiar”.
Artigo de Roberto Lent, professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

 

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

“Um julgado do TJRS, confirmado pelo STJ, sintetiza a via crucis de quem acreditou nas promessas de uma assessoria tributária: 1) A empresa devia ICMS; 2) Comprou precatórios para pagar o débito; 3) Não conseguiu quitar; 4) Foi inscrita na Serasa; 5) Sofreu penhoras e sequestros bancários; 6) Voltou a pagar o ICMS devido; 7) Ao final, ficou com os títulos de precatórios literalmente na mão!”. Artigo do advogado Telmo Ricardo Schorr (OAB-RS nº 32158).

CHARGISTA DUKE – TRIBUNA DA INTERNET

   O Big Toffoli

 

O Big Toffoli

“No mundo, a Justiça se move na tentativa de preservar a privacidade das pessoas. Aqui no Brasil é diferente. A democracia tropical, com a sua incessante troca de favores, está parindo um monstro”. Artigo de Fernando Gabeira, publicado por O Globo, em 18.11.2019.

Arte EV sobre imagem Visual Hunt

A classificação dos juízes

 

A classificação dos juízes

“Eles são heróis, soldados, minimalistas e mudos – reportados por Lenio Streck, comentando obra do americano Cass R. Sunstein. Eu acrescentaria também os justiceiros e os cegos/surdos”. Artigo do advogado Gelmir Gutier Reche (OAB-RS nº 66.467).

Chargista Sinfronio – www.sinfronio.com.br

Sabe com quem está falando?

 

Sabe com quem está falando?

“Se o paciente já foi julgado e condenado nas instâncias vigentes, a dúvida não é sobre o réu, mas também e sobretudo sobre o próprio corpo de magistrados. Não houve voto de Minerva no STF, mas uma brasileiríssima retribuição de favor entre Dias e Luiz”. Artigo de Roberto DaMatta, antropólogo e colunista de O Globo.

O STF derruba a presunção de inocência

“Não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado, e desembargador aposentado do TJRS.