Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira,
31 de março de 2020.
https://marcoadvogado.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Aos pedaços e com pouco tempo



Não sou daqueles que vive no futebol da comparação entre o Internacional e o nosso tradicional rival. Ela existe e é a responsável pela grandeza dos dois clubes. Sempre que algo positivo acontece com um, o outro passa a buscar compulsivamente igualar-se.

O GFP precisa de um Mundial FIFA e nós necessitamos de mais uma Libertadores.

Passando a régua hoje para avaliar a temporada que está prestes a encerrar, a diferença foi muito pequena: ambos poderiam ter conquistado grandes títulos que deixaram escapar. A realidade é que tanto um quanto o outro protagonizaram verdadeiros fiascos nas respectivas eliminações.

Como as conquistas, à exceção do Gauchão, foram por vagas para a disputada próxima Libertadores da América, o GFP saiu-se melhor. Conquistou a vaga direta (30 dias de preparação); enquanto nós, a pré-Libertadores.

Não desejo empregar a lógica do Marcelo Medeiros. Na semana passada ele afirmou em uma espécie de defesa prévia: “Peguei na segunda divisão e se entregar na primeira e disputando a Sul Americana já seria melhor”.

O que temos pela frente não é fácil, estamos rigorosamente recomeçando. Há muita coisa a ser feita e só será possível avançar trabalhando, mas trabalhando muito.

Ressalvando os jogadores que por força de lei têm direito a férias, os demais não deveriam parar um minuto sequer.

O planejamento para enfrentar a fase pré-Libertadores é complexo. Há no vestiário um profissional qualificado e que deveria comandar o processo, desde que definidas as premissas com a direção. Feito isso, resolvida a ambientação no novo treinador, ser inflexível nos propósitos e rápidos nas soluções dos problemas incidentais.

Tínhamos ou não razão? Bastou afastar o autoproclamado presidenciável do vestiário que o cenário melhorou.

Que o ano de 2020 seja excelente para os colorados: redução e qualificação do plantel; esquema tático definido; não poupar jogadores e nem escolher competição. Em síntese, brigar por tudo para conquistar algo.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Montagem EV

Os estádios que custaram bilhões

 

Os estádios que custaram bilhões

“As regiões do país receberam ´obras´ segundo os interesses políticos. Uma gastança descomunal para encobrir a farra da pilhagem em curso. Os estádios hoje, ironicamente, estão sendo utilizados para abrigarem hospitais improvisados”.