Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira,
31 de março de 2020.
https://marcoadvogado.com.br/images/metaforense_4.jpg

O home office que não deu certo



Arte EV sobre foto Google Imagens

Imagem da Matéria

Para prevenir a disseminação do coronavírus, famílias e empresas vêm adaptando suas rotinas. Em um escritório de advocacia capitaneado por um casal e seu filho, determinou-se que os colaboradores trabalhariam remotamente de suas residências, o famoso home office, enquanto perdurasse o risco de contágio.

O curioso é que todo o núcleo familiar residia sob o mesmo teto. Foi decidido, em reunião, que para não prejudicar o desempenho profissional, durante o horário de expediente, colocariam de lado a relação familiar e adotariam uma postura estritamente profissional, como se estivessem no escritório.

Na primeira manhã da quarentena, a mãe prepara um lauto breakfast para seus sócios-familiares:

- Aproveitem esse café da manhã reforçado, porque hoje o dia será puxado aqui nesse escritório, hihihi! – diz a matriarca, curtindo a brincadeira que, acreditava, ajudaria a aliviar o peso do confinamento.

Mas aquele momento lúdico estava para acabar. Minutos depois das 9h da manhã, mãe e filho chegam na sala e deparam-se com o patriarca diante do computador, de terno, gravata e gel no cabelo. Seus olhos agora fulminam o filho de pijama e pantufas, e a esposa com o cabelo desgrenhado:

- Isso é hora de chegar? A pauta está atolada, pessoal! Conto com a colaboração de vocês - interpela, duramente, o varão.

Ninguém fala nada, embora seja possível perceber marejarem-se os olhos da varoa. O jovem dá uma praguejada, mas senta-se rapidamente como que para compensar seu atraso. Mas o pai não parece satisfeito.

- Você vai trabalhar assim?

- Assim como? - indaga o neófito.

- Assim... de pantufas! De pijama! Não temos um dress code? E a dignidade da profissão? Tira uma foto assim pra carteira da OAB! Eles cancelam a tua inscrição na hora!

E ao som de gritos e xingamentos, o garoto traja sua indumentária e retorna para a sala, percebendo que sua mãe também aproveitara a oportunidade para paramentar-se. Tudo parecia entrar nos eixos quando o jovem pergunta:

- Mãe, o que você vai fazer para o almoço?

A mulher franze o cenho, para de digitar e engole em seco. Suas veias do pescoço tornam-se aparentes. É possível ouvir o trincar dos seus dentes. Em seguida, vem o desabafo:

- O que é isso? O rabo querendo balançar o cachorro? Você sabe que eu sou sócia fundadora desse escritório? Por que eu deveria fazer almoço pra você? Por que eu sou mulher?

A partir daí a coisa descamba e assim passam-se os dias da quarentena, até que é possível retomar o expediente no escritório propriamente dito.

A família de advogados dá, então, as boas-vindas de volta à sua equipe. Os colaboradores reparam que os sócios não se fitam nos olhos e que não falam entre si, externando flagrante animosidade.

Um estagiário, então, cochicha para outro:

- Não mudou nada...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor