Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 14 de agosto de 2020.

Em julgamento virtual, TRF-4 mantem 17 anos de condenação para Lula



Charge de Sinovaldo - Jornal NH

Imagem da Matéria

Em julgamento virtual, a 8ª Turma do TRF da 4ª Região manteve na quarta-feira (7) a condenação do ex-presidente Lula no caso do sítio de Atibaia (SP) a 17 anos de prisão. Por unanimidade, os desembargadores negaram os embargos de declaração apresentados pela defesa do petista.

Na última petição apresentada na terça-feira (6) à noite, os advogados de Lula solicitaram suspensão do julgamento virtual com base no depoimento do ex-ministro Sergio Moro no último sábado (2). A defesa alegou que a oitiva de Moro era um novo acontecimento relacionado ao processo de suspeição do ex-juiz da Lava-Jato, que aguarda julgamento no STF.

Os julgadores também negaram o pedido dos advogados para que a sessão virtual fosse cancelada. Os advogados e que o julgamento do caso só acontecesse presencialmente para que a defesa pudesse participar. “Vamos esperar a publicação dos votos e decidir o recuso que apresentaremos contra essa condenação injusta” – disse Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula.

O ex-presidente foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do sítio. Em novembro do ano passado, o mesmo TRF-4 decidiu aumentar a pena do petista de 12 para 17 anos de prisão nesta ação. Na época, os desembargadores negaram por unanimidade um pedido dos advogados do ex-presidente para que o caso do sítio de Atibaia (SP) fosse anulado e retornasse para a primeira instância.

Essa é a segunda condenação de Lula na segunda instância. No início de 2018, o petista foi condenado no caso do tríplex do Guarujá (SP) a 12 anos de prisão. O STJ diminui a pena para 9 anos. O ex-presidente foi preso em abril de 2018 devido a essa condenação.

Lula passou um ano e sete meses preso na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, até ser solto em novembro, após o STF rever seu entendimento sobre a prisão após a condenação em segunda instância. A corte entendeu que o condenado só pode ser preso depois de esgotarem os recursos em todas as instanciais judiciais.

Outros réus no julgamento do dia 6

Além de Lula, outros quatro réus da ação penal também tiveram os embargos declaratórios julgados pela 8ª Turma. Todos tiveram o provimento negado.

- Emílio Alves Odebrecht: presidente do Conselho de Administração do Grupo Odebrecht. Manteve relacionamento pessoal com Lula e participou diretamente da decisão dos pagamentos das reformas do Sítio de Atibaia, com ocultação de que o custeio seria da Odebrecht. A pena é de 3 anos e 3 meses de reclusão. Vai cumprir a pena conforme os termos estabelecidos em seu acordo de colaboração premiada.

- Fernando Bittar: empresário e um dos formais proprietários do Sítio de Atibaia. Participou das reformas, ocultando que o real beneficiário seria Lula e que o custeio provinha de três fontes: José Carlos Costa Marques Bumlai, Grupo Odebrecht e Construtora OAS. A pena é de 6 anos de reclusão, em regime inicial semiaberto.

- Carlos Armando Guedes Paschoal: diretor da Construtora Norberto Odebrecht, em São Paulo. Esteve envolvido na reforma do Sítio de Atibaia com mecanismos de ocultação de que o beneficiário seria Lula e de que o custeio parcial era da Odebrecht. A pena é de 2 anos de reclusão. Vai cumprir a pena conforme os termos estabelecidos em seu acordo de colaboração premiada.

- José Aldemário Pinheiro Filho, vulgo Léo Pinheiro: presidente do Grupo OAS. Foi o responsável pela decisão de pagamento de vantagem indevida a Lula na forma de custeio parcial de reformas no Sítio de Atibaia. A pena é de 1 ano e 1 mês, em regime inicial semiaberto. (Proc. nº 5021365-32.2017.4.04.7000/TRF.)


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Foto de Pedro Ladeira - Montagem de Gerson Kauer

Geddel, direito à dignidade ...

 

Geddel, direito à dignidade ...

O STF tem recebido uma enxurrada de habeas corpus pedindo o benefício da prisão domiciliar. O placar tem sido desfavorável às defesas. De 2.783 HCs julgados até a semana passada, 2.345 (ou 84,2%) foram negados. Geddel Vieira Lima, o ex-ministro que guardava R$ 51 milhões num apartamento, teve a melhor sorte: Dias Toffoli deferiu-lhe a prisão domiciliar.

Transformada em preventiva a prisão de juiz federal acusado de fraude

Órgão Especial do TRF da 3ª Região adotou a mesma medida em relação ao bacharel diretor de secretaria da 21ª Vara Federal de São Paulo. Dois advogados também foram presos. Vinte casos envolvendo pagamento de precatórios milionários estão sob investigação.