Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 10 de julho de 2020.
https://marcoadvogado.com.br/images/leitores.jpg

Remeter R$ 8,5 milhões anuais para o CF-OAB, ou dar mais atenção aos jovens advogados gaúchos?



Ilustrações: Freepik - Edição/montagem: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O artigo “A suficiência ou a insuficiência da atenção da OAB-RS com os advogados”, publicado na terça-feira passada (5), está entre os vinte textos mais lidos do Espaço Vital em 2020. O número de comentários enviados à redação também foi grande. Quatorze opiniões foram selecionadas e estão abaixo publicadas - algumas tiveram que ser sintetizadas, por razões de clareza e/ou espaço.

Os textos rudes e os personalíssimos foram descartados. Da mesma forma, um comentário remetido com a indicação de e-mail incorreto, CPF e número de celular inexistentes.

O Espaço Vital sempre agradece quando recebe comentários, dicas, recados, etc. E pede: preencha os dados corretos, e não pese a mão! E lembre também que as mensagens anônimas são sempre descartadas.

Ø Sobre “A suficiência ou a insuficiência da atenção da OAB-RS com os advogados”

  “Muito bem colegas, Guilherme Conrado Losekann e Leonardo Losekann! Vocês encontraram uma solução prática e possível. Resta saber se a nossa entidade de classe vai se explicar, se vai agir, ou se fará ouvidos moucos"? (ass). Teresinha Grando Cavalcanti, advogada.

  “Vi no portal da OAB-RS que a entidade tem na sua Comissão da Jovem Advocacia sete lideranças e quase 100 integrantes. Sugiro que venham a público, nesta época de prazos suspensos, para apresentar um demonstrativo de suas realizações em 2019 e como projeta 2020. Queremos saber! Dispensamos fotografias”. (ass). Marcia Luza La Porta, bacharel.

  “Colocação pertinente dos colegas articulistas. Muita preocupação, principalmente com quem está iniciando na profissão. Manter um escritório aberto nestes dias é uma façanha gigantesca. Força e coragem a eles!” (ass). Adair Giacomo Baccin, advogado.

  “Divirjo do entendimento dos articulistas. A direção da Ordem faz trabalho de alto padrão e coragem. Perguntem para médicos, engenheiros etc., como veem as ações da OAB. Eles vão dizer que gostariam de ter uma gestão como a da Ordem gaúcha para as suas respectivas classes. A ideia de reduzir a anuidade de 2020, se levada aos presidentes Breier e Pedro, certamente teria sido bem recebida e analisada e, caso não fosse possível, teríamos uma justificativa. Quem os acompanha sabe o duro que dão para proporcionar esse ´nada´ para alguns, mas muito para a maioria dos advogados”.(ass.) Dorival Ipe, advogado e conselheiro seccional da OAB-RS.

  “Faço coro à indignação dos nobres colegas da cidade de Agudo (RS) e, da mesma forma, vejo que os auxílios não precisam ser financeiros, diretamente. Cobrar dos órgãos públicos a real ´razoável duração do processo´ seria um bom começo, não só agora que as atenções estão voltadas a este assunto, mas sempre. O tempo entre a propositura da ação e a sentença é muito grande e a culpa não é só dos advogados, mas o prejuízo sim... este é dos advogados”.(ass). Maico Volkmer, advogado.

  “Tenho visto muitas fotografias de promoção do presidente atual, e gostaria que este vigor seja posto em prática para ajudar a desamparada jovem advocacia. Que tal fazer uma ou mais ´lives´ com 20, 30, 50 advogados dos pequenos escritórios, para dar um pouco de esperança na (minha/nossa futura) profissão? Não vale combinar antes”.(ass.) José Ricardo Montagna, estudante de Direito.

  “Manifestação oportuna dos colegas de Agudo (RS). Nós advogados gaúchos enviamos, em 2019, por meio da OAB-RS, ao Conselho Federal, R$ 8,5 milhões das suadas anuidades pagas por nós. E não vemos por parte da OAB qualquer atuação contra a morosidade do Poder Judiciário. O presidente do CF-OAB, com o dinheiro de todos os advogados, defende ideais próprios, sem ter sido eleito por voto direto. Deploro também que o Jornal da Ordem (OAB-RS) não admita ´opinião dos advogados leitores´. É outra ditadura com nosso dinheiro. Resta-nos os corredores do fóruns e o Espaço Vital para manifestações”.(ass). Róberson Azambuja, advogado.

  “Li em dezembro no Espaço Vital que o conselheiro seccional Itamar Basso apresentaria uma proposta para que a OAB-RS suspendesse o envio mensal de dinheiro ao Conselho Federal. Este - para falar apenas em 2019 - recebeu mais de R$ 8 milhões da advocacia gaúcha. Gostaria de saber como está a proposta de suspender as remessas. Lenta como os processos nos fóruns de Porto Alegre, Caxias do Sul, Passo Fundo e outras dezenas? Ou definitivamente adormecida? A propósito: quanto já foi enviado para o CF-OAB em 2020?”(ass.) Pietro Gomes Ruperti, bacharel em Direito.

  “Parabéns aos colegas Losekann pelo artigo. Penso exatamente a mesma coisa. E digo mais: não são somente os jovens advogados que sofrem com a omissão da Ordem regional e do CF-OAB. Acrescento que os advogados do Interior do RS sofrem ainda mais com o desamparo em todos os sentidos. Pagar a anuidade é o menor dos nossos problemas no sentido de manutenção dos escritórios. Fazer novas dívidas é que aumenta o problema”.(ass). Vilson Ademir Nienow, advogado.

 “Ótimo texto! Mais uma prova de que a teoria do cafezinho grátis não tem sustentação. Parabéns aos advogados articulistas.”(ass.) Marcelo Vilani, advogado.

  “As dificuldades narradas no texto são as que sinto no meu dia a dia. Os boletos não param de chegar, os processos já lentos agora estão letárgicos (eletrônicos) ou imóveis (físicos). Neste passo vamos agonizar até a morte. É isto o que a OAB quer? Assino embaixo do texto dos dois colegas de Agudo (RS)”.(ass.) Gerson Luis Kreismann, advogado.

  “A diretoria daria mais atenção aos jovens advogados se, sem fotografias mas com testemunhas, visitasse as varas para verificar o tratamento rotineiro que recebemos e para conferir a assiduidade (ou a ausência) dos magistrados. A próxima reabertura dos fóruns será uma boa ocasião para isso. Cinco dias úteis em sequência com diversas visitas-surpresa. Não vale mandar aviso e roteiro antes”.(ass.) Rogério Signor, estagiário.

  “Três perguntas. Quantas varas estão, atualmente, sem juízes titulares nos fóruns do Estado? Os juízes substitutos estão prestando jurisdição? Onde e quantas vezes por semana, ou por mês?”(ass.) Pedro de Angeli, bacharel.

  “Neste momento em que são contestados o valor da anuidade da OAB e a respectiva contraprestação, seria importante comparar com outros conselhos profissionais. Pelas minhas observações, há conselhos que cobram praticamente o mesmo valor da OAB, com uma contraprestação de serviços muito menor. No que diz respeito à Subseção à qual pertenço (Pelotas), realço que, através de sucessivas boas administrações, ela tem colocado à disposição dos advogados, uma excelente contraprestação de serviços”.(ass.) Julio Viana, advogado.

Notas da redação

1. Para comentar esta matéria, escreva para 123@espacovital.com.br - informando seu nome e, sendo advogado ou estagiário, o número de inscrição em sua OAB. Forneça seu CPF, endereço profissional e número(s) de seu(s) telefone(s), preferencialmente o celular; estes não serão publicados, destinando-se apenas para conferir a autenticidade da remessa.

2. O Espaço Vital ofereceu à OAB-RS, ontem (11), às 9h20 e às 16h04, respectivamente ao presidente Ricardo Breier e ao assessor de imprensa Sérgio Trentini, a possibilidade de contraponto ao artigo “A suficiência ou a insuficiência da atenção da OAB-RS com os advogados”. Não houve respostas.

Para ler, ou reler

A suficiência ou a insuficiência da atenção da OAB-RS com os advogados > clique aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV

Solidariedade à advogada afrontada e críticas à trapalhada policial

 

Solidariedade à advogada afrontada e críticas à trapalhada policial

 “No Rio Grande, as pessoas praticam crimes de racismo com a certeza da impunidade”.

 Críticas e elogios à digitalização dos processos físicos como encargo para a advocacia.

 Processo eletrônico: “Impressiona a falta de consistência técnica do TJRS, onde tudo é confuso”.

 Congratulações para Rafael Berthold e Roberto Siegmann, colunistas do Espaço Vital.

 Participação dos leitores Antonio Pani Beiriz, Rejane Griesang Schenkel, Graziela Terezinha Finger, José Flavio Breno Fischer, Luciano Maria Gonçalves Fava, Jorge Luiz Aguiar Dias, Carlos Alberto Andrade, Teresinha Grando Cavalcanti, Katiane Romanini, Luiz Carlos Chuvas e Leonardo Joel Handler.

Imagem Screenshot meramente ilustrativa - Arte EV

A inércia de servidores durante o fechamento forense

 

A inércia de servidores durante o fechamento forense

 Um modo simples para garantir o andamento dos processos: colocar funcionários do TJRS para digitalizar autos físicos.

• Processos aguardando juntada de petições desde 20 de fevereiro (antes da pandemia).

 Elogios ao magistrado aposentado Osvaldo Peruffo e ao ex-escrivão Sérgio Araújo.

 Carga programada para a digitalização: “Os advogados vão fazer o trabalho do Judiciário, em troca de uma ilusória celeridade”.

 Participação dos leitores Henrique Júdice Magalhães, Simone Maria Serafini, Alberto Karoly, Leonardo Handler, Cicero Barcellos Ahrends, Maico Volkmer, Clovis Borba dos Santos, Marcelo Battirola, Francisco Antonio Fresina Neto, Paulo Américo de Andrade, Victor Marona, Rogers Trott, Carlos Alberto Dossena, Cleuson De Pariz Zippinotte e Virginia Keller.

Arte EV

Depois de movimentos... sem movimentos, afinal a sentença

 

Depois de movimentos... sem movimentos, afinal a sentença

· Advogados comentam o processo demorado que, afinal, teve decisão no Foro Regional do Alto Petrópolis.

· Outros assuntos: a) Elogios para a OAB-RS; b) Depois da pandemia; c) Os acertos do Escreva Direito; d) E-PROC é o melhor.

· Manifestações dos advogados Adival Antonio Rossato, Carlos Castagno, Eliakim Sefrim do Carmo, Juliano Luís Rodrigues, Marco Aurélio Coimbra e Regina Moraes Regius.

Imagem meramente ilustrativa - Foto Visual Hunt - Edição EV

Controvérsias sobre o cafezinho gratuito (ou embutido nas anuidades) nas salas da OAB-RS

 

Controvérsias sobre o cafezinho gratuito (ou embutido nas anuidades) nas salas da OAB-RS

•  Advogada diz que, ante o aperto financeiro, está se preparando para fazer malabares junto aos semáforos.

•  Críticas ao Conselho Federal da Ordem, grande arrecadador de anuidades.

• Coisas curiosas na decisão de arquivamento do caso da juíza que se negou a fazer o teste do etilômetro.

• Dona Rosa” e o processo sigiloso do ano.

•  Já era hora de dar um basta na suspensão dos advogados inadimplentes.

•  Manifestações dos advogados Simone Maria Serafini, Fabio Scherer de Moura, Marcelo Vilani, Peter Andersen Cavalcanti, Vera Maria Vargas Ferreira, Antonio Rafael Viezzer, Heloísa Barbagli, Teresinha Grando Cavalcanti, Juliano Tonello, Cícero Barcelos Ahrends, Jorge Kebach, Gilberto Guimarães, Eliel Karkles e Milton Porto.

•  Participação, também, de um contador, um médico, um agente de viagens, um frentista e um autônomo.

Reprodução de www.oab.org.br em 06.3.2020, às 8h30

CF-OAB oficialmente só publica o quanto arrecadou até setembro do ano passado

 

CF-OAB oficialmente só publica o quanto arrecadou até setembro do ano passado

 Já estamos no terceiro mês de 2020 e as contas oficiais publicadas estão com cinco meses de atraso.

• Opiniões de advogados sobre as comparações entre OAB (Brasil) e ABA (EUA).

 Leia o que dizem os advogados Léo Ricardo Petry, Taciana Martins Faria Neves, Eduardo Dorfman Aranovich, Simone Maria Serafini e o bacharel Nelson Carmo Pedro Gonzaga.

Arte EV

Os R$ 8,5 milhões da advocacia gaúcha que vão anualmente para o CF-OAB

 

Os R$ 8,5 milhões da advocacia gaúcha que vão anualmente para o CF-OAB

 Advogado Roberson Azambuja deplora que esse dinheiro é retirado de jovens profissionais da advocacia.

 Contador Peter H. Grunewald se diz impressionado com a vazão da dinheirama.

 Advogado Fernando Maciel Ramos diz que os colegas devem se negar a prestar serviços como dativos.

 Advogado Cicero Barcellos Ahrends elogia a 8ª Câmara Cível do TJRS.

 Advogados Jarbas Manoel da Silva e Luiz Carlos Kremer comentam sobre terrenos da União à beira-mar.