Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 10 de julho de 2020.

Depois da pandemia, os ricos ficarão mais ricos. Os poderosos, mais fortes



Arte EV - Imagens Camera Press

Imagem da Matéria

Por Daniel Aarão Reis, historiador brasileiro e professor titular de História Contemporânea na Universidade Federal Fluminense
daniel.aaraoreis@gmail.com

Há opiniões positivas: Michel Maffesoli, sociólogo, fala do reencantamento do mundo. Artistas anunciam dias melhores. Mais preocupação com a saúde, a ecologia, a organização das cidades. E também reconhecimento do papel do Estado na regulação dos mercados e, sobretudo, na organização dos serviços públicos essenciais — saúde, educação e segurança, em contraste com a degradação progressiva, evidenciada no combate ao maldito vírus, mesmo em sociedades opulentas, como os EUA.

Pesquisa realizada na França aponta para a expectativa de um mundo mais solidário, sóbrio, democrático, preocupado com o meio ambiente. São perspectivas construtivas, animadoras, viáveis. Em tese. Se forem enfrentadas e neutralizadas outras tendências, ameaçadoras.

Uma delas é o assustador crescimento da concentração da renda e das desigualdades sociais. Como demonstrou Thomas Piketty, um processo de décadas. Aprofundado com a crise de 2008. Ganha velocidade no curso da pandemia atual e, se as coisas continuarem assim, a situação pode piorar. Stéphane Lauer, em recente artigo, apontou para uma economia em crise face a sólidos mercados financeiros. Milhões de desempregados, dezenas de milhares de mortos, parentes, amigos e entes queridos angustiados e enlutados, empresas em dificuldades, à beira da falência.

Entretanto, as bolsas de valores vão bem, obrigado. O índice Dow Jones está 25% superior ao que era há alguns anos. Os lucros das grandes empresas suscitam euforia. A especulação com títulos e moedas corre livre e sem freios.

É razoável? Não, não é razoável.

Enquanto pesquisadores tentam encontrar uma vacina, os bancos e os investidores já têm a sua, graças à intervenção dos principais bancos centrais. A receita formulada para combater a crise de 2008 é adotada mais uma vez. Produzirá os mesmos resultados: os ricos ficarão mais ricos. Os poderosos, mais fortes.

Thomas Philippon, da New York University, registrou que apenas cinco empresas — Google, Apple, Facebook, Amazon e Microsoft — detinham, em 2019, 20% da riqueza acumulada pelas maiores 500 empresas norte-americanas. São elas as que mais crescem no curso da pandemia.

Ao mesmo tempo, multiplicam-se as ameaças às liberdades e à democracia. Na China e em outros países, aperfeiçoam-se softwares, disseminam-se câmeras para monitorar cidadãos através do reconhecimento facial. Adverte Noah Harari: “tecnologias imaturas e perigosas estão sendo utilizadas”. Os governos ampliam poderes “especiais” de controlar, investigar, perseguir, multar e pôr na cadeia. Operadoras telefônicas informam sobre a circulação e compartilham dados de geolocalização. Cidadãos são estimulados a delatar comportamentos “impróprios”.

Houve lugares em que se cogitou autorizar a polícia a entrar em domicílios privados, sem autorização judicial, para saber se os residentes estariam contaminados. Aconteceu na idílica Dinamarca, mas a “medida” não chegou a ser autorizada.

Nestes horizontes sombrios, contudo, há luzes piscando.

Na Holanda, 170 intelectuais assinaram um manifesto propondo caminhos a serem considerados no futuro imediato: questionar a economia obcecada com o crescimento do PIB, selecionar o que deve ou não crescer, segundo as necessidades das pessoas; redistribuir a riqueza; transformar a agricultura, valorizando a biodiversidade e a produção local; reduzir o consumo e as viagens; congelar as dívidas de trabalhadores, pequenos empresários e países mais pobres.

O italiano Franco Berardi, o Bifo, propõe meditar sobre uma sociedade livre da compulsão da acumulação e do crescimento econômico: “precisamos de comida, afeto e prazer, ternura, solidariedade e frugalidade”. Revalorizar o útil, o valor de uso em contraposição à abstração do valor de troca imposto pela dinâmica de um sistema capitalista predador.

Para depois da pandemia, à espera das que virão, Bifo e os holandeses sugerem sendas. Não será fácil tomá-las. Se tomadas, porém, mais do que salvar vidas, poderão tornar a vida melhor.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Foto: Visual Hunt - Arte EV

Ressuscitem Churchill !

 

Ressuscitem Churchill !

“As pessoas estão esgotadas. Bandeiras... - ninguém atura mais esse discurso. Bandeira vermelha só no Beira Rio. E preta é lá no Corinthians. O pico já subiu e desceu inúmeras vezes. Isso parece filme pornô. Desculpem a ironia...” Artigo de José Aquino Flores de Camargo, ex-presidente do TJRS e advogado (OAB/RS nº 12.586)

O Judiciário e o avanço da mobilidade urbana

 

O Judiciário e o avanço da mobilidade urbana

“Está nos tribunais a disputa que contrapõe as versões antiga e nova de atender o mesmo público. Mas o consumidor paga até 60% a mais se comprar passagens pelo modo convencional, na rodoviária”. Artigo do advogado Jauro Gehlen.

Coabitação em tempos de quarentena e o contrato de namoro

“Muitos casais de namorados passaram a coabitar continuamente para evitar o isolamento e a forçada separação, sem, entretanto, pretender constituir uma relação de união estável, uma família, enfim, um compromisso mais sério”. Artigo do advogado Marcelo Santagada de Aguiar.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Contatos virtuais e prerrogativas

 

Contatos virtuais e prerrogativas

“Em tempos de distanciamento social, existem alternativas tecnológicas para falarmos ao vivo com juízes e desembargadores: são as mesmas que utilizamos para contatar com nossos familiares e amigos”. Assim, WhatsApp, Zoo, Google Meet, Teams, e os sistemas próprios dos tribunais. Artigo de Rafael Braude Canterji, advogado (OAB-RS nº 56.110).