Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 4 de dezembro de 2020.

O partido da OAB/RS



Edição EV sobre foto Google Imagens

Imagem da Matéria

Por Ricardo Breier, advogado e presidente da OAB/RS

A OAB/RS se tornou uma das entidades de maior credibilidade no Rio Grande do Sul. Não é achismo, são pesquisas. Nos últimos anos, a Ordem gaúcha vem se destacando em premiações como a entidade jurídica preferida e também a mais lembrada pelos gaúchos.

Esse reconhecimento é fruto de trabalho sério, qualificado e engajado. Advogados e advogadas gaúchos, além de um corpo de colaboradores dedicados, permitem termos uma condução exemplar da Ordem, referência para o Rio Grande do Sul e o Brasil.

A independência da OAB/RS é um dos pilares que assegura a credibilidade tão valorizada pela população. Neste período eleitoral com foco nas eleições municipais, temos uma nova oportunidade de reafirmar nossa postura transparente e equidistante do processo político-partidário em curso.

Historicamente, a OAB/RS participa e incentiva o processo democrático e, neste ano, mais uma vez, lançamos a campanha Vote Consciente. Através da capilaridade estruturada por 106 Subseções e pelo Conselho Seccional, levamos informação e mobilização, e estimulamos a sociedade gaúcha a participar dos pleitos.

Assumimos o protagonismo de engajar os eleitores a escolherem melhores representantes a cada nova eleição. Reiteramos o compromisso com a democracia e reforçamos o voto como instrumento poderoso nas mãos de cada eleitor.

A nossa entidade respeita todos os atores políticos e assegura sua postura apartidária - independente e de zelo - pela transparência de suas ações. Não compactuamos com a partidarização e com tentativas indevidas de associação da entidade a alguma agremiação política. Reprovamos aqueles que buscam esse viés.

O partido da OAB do Rio Grande do Sul é o da defesa das prerrogativas da advocacia e da luta por melhores condições de trabalho para os profissionais. A nossa militância é pelo respeito ao cidadão e pela defesa da cidadania. O nosso

palanque é o do ambiente democrático. A nossa ideologia é a Constituição.

Não compactuamos com a partidarização, nem com tentativas oportunistas e indevidas de participações - como a ocorrida em uma recente live - disfarçadas sob o título de “A Democracia, a Cidadania e o Estado de Direito do Brasil”. Nela figuraram o atual presidente do CF-OAB, Felipe Santa Cruz, um ex-governador do Estado do RS e um candidato à vereança em Porto Alegre.

Na conjunção viu-se a tentativa de projeção de determinada candidata às próximas eleições municipais em Porto Alegre. A tal “live da democracia” teve 100% de política partidária o que merece a reprovação plena à participação, seja do presidente nacional Felipe Santa Cruz, ou de qualquer outro dirigentes do sistema institucional da OAB.

Não compactuo com a partidarização do CF-OAB e nem com tentativas de associação da entidade a uma ou mais agremiações partidárias. Defenderei a história da Ordem gaúcha e a sua credibilidade reconhecida e respeitada, sem arredar um milímetro na defesa da independência e do apartidarismo institucional!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Imagem MeusDicionarios.com.br

Faz de conta...

 

Faz de conta...

Uma intimação de 56 folhas que alcança centenas de ativos advogados. E também advogados falecidos, advogados cancelados, advogados impedidos, advogados suspensos, advogados excluídos.  Artigo de Sérgio Souza Araújo, cidadão brasileiro aposentado, ex-escrivão da 7ª Vara Cível de Porto Alegre.

Enfam, questões raciais, discriminação, Og Fernandes

“Os integrantes do Poder Judiciário precisam superar a compreensão equivocada da realidade e reconhecer os efeitos da desigualdade racial na formação e dinâmica dos conflitos a que são chamados a resolver”. Artigo de Og Fernandes, ministro do STJ e diretor da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam). 

Imagem: Freepik - Arte EV

Consequencialismo?

 

Consequencialismo?

“Pode o intérprete – entre iludir e se iludir, entre enganar e se enganar – declarar-se consequencialista, em temas de natureza normativo-constitucional, sem esclarecer nem o ´sentido´, nem a ´referência´ com que emprega a expressão ´consequencialismo´”? Artigo do advogado Alexandre Pasqualini.

Imagem: Freepik - Arte EV

Desculpas e desagravos. Para quem?

 

Desculpas e desagravos. Para quem?

“Era junho de 2018: um cidadão trabalhador busca na Justiça do Trabalho a satisfação dos direitos de que entende ser merecedor. É novembro de 2020: os privilegiados foram os que negaram o acesso à Justiça, que valorizaram a forma encenada, teratológica e abusiva de não entregar alguma jurisdição, em detrimento da legalidade sociojurídica”. Artigo de Álvaro Klein, advogado de trabalhadores.

Chargista Cazo

Para o crime não compensar

 

Para o crime não compensar

“A soltura de André do Rap não teria ocorrido se estivesse valendo a prisão em segunda instância. Esse estatuto vigorou por 21 anos e foi derrubado pelo STF justamente quando políticos poderosos e grandes empresários começaram a ser presos”. Artigo do senador Lasier Martins.