Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de maio de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 11).
https://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_19.jpg

Ficção jurisdicional: mesmo preso, o pai não fica isento de pagar pensão ao filho menor



Imagem Shutterstock

Imagem da Matéria

 
Ficção jurisdicional

Triste o caso. Mesmo preso, o pai não fica isento de pagar pensão para filho menor – decidiu, esta semana, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. O fundamento: “O fato de estar preso não isenta o alimentante de seu dever para com o alimentado, pois existe a possibilidade de ele exercer atividade remunerada no cárcere”.

Em primeiro grau, o pedido de pensão alimentícia foi improcedente, porque “como o pai foi condenado criminalmente e está preso, não tem possibilidade de ser alimentante”.

O TJ do Distrito Federal reformou a sentença para condenar o réu a pagar pensão de 30% do salário mínimo.

Segundo o palavrório do acórdão superior, "a finalidade social e existencial da obrigação alimentícia a torna um instrumento para concretização da vida digna e a submete a um regime jurídico diferenciado, orientado por normas de ordem pública".

Na prática, zero ao quadrado. O processo tramita com segredo processual.


O Dia S

Apesar das pressões em contrário, será entre o final de março e o início de abril o julgamento pelo Plenário, no Supremo, sobre a decisão monocrática de Edson Fachin, que anulou as condenações de Lula e tornou sem objeto a ação sobre a suspeição de Sergio Moro.

Esta segue, no momento,  suspensa na 2ª Turma por pedido de vista.

Uma articulação entre ministros prevê que Kassio Nunes vote sobre o ex-juiz somente depois de o Plenário analisar a situação do petista. 


Sem eutanásia

Por entender que os critérios de permissão não eram claros, o Tribunal Constitucional de Portugal - a mais alta instância do sistema judicial do país - declarou a inconstitucionalidade de uma lei, aprovada no Parlamento, que legalizava a eutanásia. Assim, a norma não pode ser sancionada nem entrar em vigor.

A lei derrubada permitia apenas que pessoas maiores de 18 anos e conscientes pedissem a eutanásia. Os pacientes precisariam estar “em situação de sofrimento duradouro e insustentável, com doenças e lesões incuráveis e definitivas”.

Além disso, seriam necessárias as avaliações de dois médicos, sendo um deles especialista na doença que justificasse o pedido, além de uma comissão de peritos judiciais.


Segure a língua!

Escolhido como o novo ministro da Saúde, o cardiologista Marcelo Queiroga recebeu o mesmo conselho de diferentes aliados: tomar cuidado com a língua.

É que ele é tido como alguém de perfil piadista – algumas vezes de fundo duvidoso.

Pessoas próximas a Queiroga sugeriram que ele deve evitar as brincadeiras verbais.


Conflito de interesses

Para aguardar o pronunciamento do Tribunal de Contas da União sobre possível conflito de interesses, o juiz João de Oliveira Rodrigues Filho, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo (SP), suspendeu os pagamentos ao Grupo Alvarez & Marsal pela sua atuação como administrador judicial na recuperação da Odebrecht, após a contratação do ex-juiz Sergio Moro como consultor. 

A decisão se deu no processo de recuperação judicial da Odebrecht. O magistrado decisor foi informado que a contratação de Moro está sendo investigada pelo Tribunal de Contas da União. O próprio ex-juiz e ex-ministro da Justiça está colaborando com o procedimento instaurado.

Nesta semana, o juiz Oliveira Rodrigues decidiu que a Odebrecht deve depositar os honorários do administrador judicial em uma conta judicial “até que o papel de Moro no Grupo Alvarez & Marsal seja melhor esclarecido”.

A decisão fixou o prazo de 15 dias para que a empresa preste esclarecimentos nos autos. Também vai aguardar o desfecho da investigação do TCU. (Proc. nº 1057756-77.2019.8.26.0100).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Um ofício picante para tentar sacudir a expedição de alvarás “indisponíveis”

 

Um ofício picante para tentar sacudir a expedição de alvarás “indisponíveis”

  • Habitualmente de demorada expedição (jeito cartorário gaúcho...) os alvarás de honorários e o dinheiro das partes passaram a ser raridade, nestes tempos de pandemia e de invasão cibernética.
  • Presidente da OAB-RS pede ao desembargador Voltaire de Lima Moraes, até mesmo o uso de ferramentas físicas.
  • TJ gaúcho nega que hackers tenham pedido resgate de US$ 5 milhões.
  • TRT do Rio quer descobrir os segredos dos algoritmos da Uber.
  • E de repente, o portal do STF fica inoperante...

www.cultura.uol.com.br

“A Caipirinha”: a obra de arte mais cara já vendida no Brasil

 

“A Caipirinha”: a obra de arte mais cara já vendida no Brasil

  • Por decisão do STJ, a pintura (foto) de Tarsila do Amaral – arrematada por R$ 57,5 milhões em leilão judicial – continuará nas mãos do colecionador Luís Goshima. Ele fez fortuna há 30 anos, quando – como contador - conheceu Lia Aguiar, uma das filhas de Amador Aguiar, fundador do Bradesco.
  • Mercado Livre será o novo patrocinador do Flamengo.
  • Tentativa de fura-fila na vacina contra a Covid-19: ministro do STF nega pleito da Anamages.
  • Deixar o local do acidente de trânsito sem prestar socorro não configura, necessariamente, dano moral.
  • TST exclui cláusula que conferia estabilidade a empregados com HIV ou câncer.

Arte EV

Não há vínculo empregatício quando não há subordinação jurídica

 

Não há vínculo empregatício quando não há subordinação jurídica

  • TRT concluiu que o serviço advocatício foi prestado pela autora sem pessoalidade e subordinação jurídica.
  • Imobiliária “Roberto Carlos” não se confunde com o nome do famoso artista. Para o STJ “colisão entre nome comercial e marca não se resolve apenas pelo critério da anterioridade”.
  • Idoso cobra judicialmente da filha e do genro: dívida de R$ 434 mil.
  • Juiz autoriza mãe a cultivar ´cannabis sativa´ para tratamento medicinal de duas filhas gêmeas com graves deficiências de saúde.
  • STJ publica nova súmula.

Camera Press

Na pauta do STF a mudança do índice de correção monetária do FGTS

 

Na pauta do STF a mudança do índice de correção monetária do FGTS

  • Desde 1999 o índice não acompanha a inflação. Segundo estimativas, uma pessoa com dez anos de carteira assinada e salário de R$ 2 mil mensais pode ter mais de R$ 5 mil a receber com a revisão.
  • Gilmar Mendes passa a ser o novo decano do STF a partir de 5 de julho.
  • A prescrição chegou! O ex-futebolista Edmundo está livre. Condenado em 1999 a quatro anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, por três homicídios, ele ficou só um dia preso.
  • Adicional de periculosidade para empregado de farmácia localizada junto a posto de gasolina.