Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de maio de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 11).
https://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_19.jpg

Não é fake! Ministra Rosa Weber é reclamada em duas ações trabalhistas



Caricaturas de Gerson Kauer – Ilustração de Camila Adamoli

Imagem da Matéria


A cuidadora contra a ministra

Não é fake! Sem qualquer colaboração do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) comprovou-se, afinal, que a ministra Rosa Weber, do STF, é uma das três partes reclamadas em duas ações trabalhistas que tramitam na  5ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. A descoberta foi obra de operadores e participantes da simbólica “rádio-corredor” – agora mais virtual do que nunca.

Na prática – em foros e tribunais por aí - a ficcional emissora reúne anônimos operadores da advocacia e da magistratura gaúchas.

As duas ações estão reunidas e terão audiência de instrução no próximo dia 13 de abril. Já houve uma audiência de tentativa de conciliação – inexitosa. Somadas, as cifras das duas demandas, ascendem a R$ 1.331.517,40. 

Para acordo, a reclamante informou, em audiência, aceitar R$ 800 mil. A defesa admitiu o pagamento de R$ 120 mil. E o juiz da causa, Jorge Alberto Araújo procurou atrair os litigantes ao patamar de R$ 300 mil. Não houve acerto.


O vínculo e os 31 pedidos

A primeira ação busca o reconhecimento da contratualidade trabalhista como cuidadora, de 2015 a 2020, com seis dias de trabalho semanal, de domingo a sexta e último salário fixo de R$ 3 mil mensais. Aí, a pretensão indenizatória compreende 31 itens e totaliza R$ 1.311.579,47.

A segunda ação busca complementarmente R$ 19.398,00. O valor corresponde ao saldo de salários e reflexos, em decorrência de ter havido – via ligação telefônica - a dispensa da reclamante em 15 de maio de 2020, logo após os três demandados serem notificados sobre a existência da primeira demanda que buscava o vínculo e seus reflexos, inclusive previdenciários e de FGTS.        


As partes

É autora das duas ações Estela Maria Moura Machado (reclamante).

Os reclamados são Zilah Bastos Pires (102 anos de idade, residente em Porto Alegre) e seus dos filhos: Rosa Maria Pires Weber e José Roberto Pires Weber (este advogado, e pecuarista em Alegrete).

Segundo a petição inicial, a contratação laboral foi em 20 de janeiro de 2015, pelo salário de R$ 2.640 mensais; a iniciativa contratual foi da filha da idosa – afirma a petição inicial.

A contestação nega a relação laboral e, de forma veemente, sustenta a total capacidade pessoal e financeira da primeira reclamada, a quem caberiam todos os encargos financeiros de eventual reconhecimento do formal vínculo empregatício.       


Sem comentários... e sem resposta

O Espaço Vital disponibilizou espaço aos profissionais da advocacia que atuam em nome dos litigantes.

Ângelo César Diel (OAB/RS nº 28.677, pela reclamante) telefonicamente ponderou “não ter comentários a fazer” e que “sempre as manifestações serão nos autos”.

O advogado Fernando Krieg da Fonseca (OAB/RS nº 7.286), pelos reclamados, não respondeu ao e-mail que buscava contraponto e/ou esclarecimentos. (Procs. nºs 0020163-52.2020.5.04.0005 e 0020439-83.2020.5.04.0005).


Mistério nenhum...

Vale relembrar duas frases que dezenas – ou centenas – de vezes o ministro Celso de Mello incluiu em seus votos, quando prestava jurisdição no STF.

Começava assim: “Nada deve justificar, em princípio, a tramitação, em regime de sigilo, de qualquer procedimento que tenha curso em juízo, pois, na matéria, deve prevalecer a cláusula da publicidade”.

E arrematava deste jeito cristalino : ”Não custa rememorar que os estatutos do poder, numa República fundada em bases democráticas, não podem privilegiar o mistério”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Um ofício picante para tentar sacudir a expedição de alvarás “indisponíveis”

 

Um ofício picante para tentar sacudir a expedição de alvarás “indisponíveis”

  • Habitualmente de demorada expedição (jeito cartorário gaúcho...) os alvarás de honorários e o dinheiro das partes passaram a ser raridade, nestes tempos de pandemia e de invasão cibernética.
  • Presidente da OAB-RS pede ao desembargador Voltaire de Lima Moraes, até mesmo o uso de ferramentas físicas.
  • TJ gaúcho nega que hackers tenham pedido resgate de US$ 5 milhões.
  • TRT do Rio quer descobrir os segredos dos algoritmos da Uber.
  • E de repente, o portal do STF fica inoperante...

www.cultura.uol.com.br

“A Caipirinha”: a obra de arte mais cara já vendida no Brasil

 

“A Caipirinha”: a obra de arte mais cara já vendida no Brasil

  • Por decisão do STJ, a pintura (foto) de Tarsila do Amaral – arrematada por R$ 57,5 milhões em leilão judicial – continuará nas mãos do colecionador Luís Goshima. Ele fez fortuna há 30 anos, quando – como contador - conheceu Lia Aguiar, uma das filhas de Amador Aguiar, fundador do Bradesco.
  • Mercado Livre será o novo patrocinador do Flamengo.
  • Tentativa de fura-fila na vacina contra a Covid-19: ministro do STF nega pleito da Anamages.
  • Deixar o local do acidente de trânsito sem prestar socorro não configura, necessariamente, dano moral.
  • TST exclui cláusula que conferia estabilidade a empregados com HIV ou câncer.

Arte EV

Não há vínculo empregatício quando não há subordinação jurídica

 

Não há vínculo empregatício quando não há subordinação jurídica

  • TRT concluiu que o serviço advocatício foi prestado pela autora sem pessoalidade e subordinação jurídica.
  • Imobiliária “Roberto Carlos” não se confunde com o nome do famoso artista. Para o STJ “colisão entre nome comercial e marca não se resolve apenas pelo critério da anterioridade”.
  • Idoso cobra judicialmente da filha e do genro: dívida de R$ 434 mil.
  • Juiz autoriza mãe a cultivar ´cannabis sativa´ para tratamento medicinal de duas filhas gêmeas com graves deficiências de saúde.
  • STJ publica nova súmula.

Camera Press

Na pauta do STF a mudança do índice de correção monetária do FGTS

 

Na pauta do STF a mudança do índice de correção monetária do FGTS

  • Desde 1999 o índice não acompanha a inflação. Segundo estimativas, uma pessoa com dez anos de carteira assinada e salário de R$ 2 mil mensais pode ter mais de R$ 5 mil a receber com a revisão.
  • Gilmar Mendes passa a ser o novo decano do STF a partir de 5 de julho.
  • A prescrição chegou! O ex-futebolista Edmundo está livre. Condenado em 1999 a quatro anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, por três homicídios, ele ficou só um dia preso.
  • Adicional de periculosidade para empregado de farmácia localizada junto a posto de gasolina.