Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, terça-feira, 30.11.
(Próxima edição: sexta-feira, 03.12)
https://marcoadvogado.com.br/images/romance_forense.jpg

Não mais do que de repente...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Primeira semana de março de 2020 - a pandemia ainda era uma suposição distante – há um coquetel do lançamento de um novo produto de argentário banco. Um cliente, notoriamente conhecido por sua falta de memória, toma mais um drinque enquanto conversa, feições depressivas, com os circunstantes.

De repente surge um cidadão de nariz empinado, barriguinha saliente, puxando assunto:

- Olá! A confraternização está boa, não é mesmo?

- Ótima! - responde o primeiro, sem muito interesse.

Mas o recém chegado prossegue:

- Muito prazer, eu sou o Doutor Menezes, magistrado aposentado.

- Olá, Menezes, eu sou o Souza – diz o homem comum.

- Eu me aproximei porque, profissionalmente, a sua feição me parece meio familiar. Acho que já o vi antes. Talvez tenhamos nos encontrado em alguma audiência, ou julgamento.

- Não, não sou advogado!

- Então, quem sabe, o senhor compareceu como autor, réu ou testemunha de algum processo. Será que dei uma sentença que lhe foi favorável ou desfavorável?

- Nada disso! Sou apenas o sério administrador financeiro de uma empresa de telefonia. E detesto fóruns, audiências, juízes, promotores, etc.

O Doutor Menezes pensa alguns instantes e então dispara:

- Espera aí, Souza... Você por acaso era casado com a Helena Guilhermina Aldrovandi de Souza?

O homem se espanta:

- Era sim! Mas nos separamos em 2007! Por que você está me perguntando isso?

E o douto jubilado responde:

- Ah... Eu estava mesmo com a sensação que já tinha dado alguma sentença contra você!... É que eu me casei com ela. Desculpe.

E, de fininho, o excelentíssimo senhor doutor Menezes se afasta. Logo se apruma em roda próxima. Nesta, de repente, vem à baila o tema dos penduricalhos e das férias de 60 dias. O douto jubilado também logo se afasta.

Mera coincidência, no mesmo momento, a cantora – com a moldura musical de um sax barítono – entoa versos de Vinicius de Mores:

“De repente não mais que de repente /

 Fez-se de triste o que se fez amante /

 E de sozinho o que se fez contente /

 Fez-se do amigo próximo, distante /

 Fez-se da vida uma aventura errante”...

O Doutor Menezes bate em retirada. E o Souza segue libando.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

O magistrado surfista

 

O magistrado surfista

“juiz s-t-q-q”. A história de um douto que era ligado em esportes marítimos. E que conseguia trabalhar enquanto surfava no mar maravilhoso – cujo defeito, apenas, era o de não ter águas azuladas padrão Aruba...

Charge de Gerson Kauer

Sexo tântrico no entardecer

 

Sexo tântrico no entardecer

Eram 6h da tarde de um sábado, quando bateu o telefone no 190. A voz feminina, do outro lado da linha, denotava irritação: “Tem um casal tarado, fazendo sexo na casa aqui ao lado, de tal jeito que está escandalizando as crianças que vieram à festinha de aniversário do meu filho”...

Charge de Gerson Kauer

É proibido usar cuecas!

 

É proibido usar cuecas!

A petição inicial da ação trabalhista continha uma afirmativa inusitada: “O reclamante – que exercia as funções de tesoureiro - não podia usar cuecas no trabalho e era obrigado a ficar totalmente nu durante muitas das revistas”...

Charge de Gerson Kauer

E precisava tudo isso?...

 

E precisava tudo isso?...

Meia-noite de uma sexta-feira, Sua Excelência e a esposa – cinquentão, e quarentona bem conservada, respectivamente - tentam apimentar o relacionamento sexual. Por isso combinam que ela, em decúbito ventral, será algemada num dos decorativos vãos da cabeceira da própria cama do casal...

Charge de Gerson Kauer

´Para evitar problemas com a Justiça´...

 

´Para evitar problemas com a Justiça´...

O operador jurídico aposentado, 65 de idade, viúvo, contratou uma serviçal com as melhores intenções empregatícias de quem queria uma casa bem arrumada e refeições nas horas certas. Talvez pela solidão em que vivia – embora a abissal diferença cultural – ele começou a enxergar a doméstica, 39 de idade, com outros olhos.