Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital,sexta-feira 22.10.
(Próxima edição: terça-feira, 26)
https://marcoadvogado.com.br/images/romance_forense.jpg

Faça amor, não faça guerra...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Quatro ou cinco noites por mês, em um prédio do bairro Independência, ouve-se o eco de tapas seguidos de gemidos altos. Os vizinhos já sabem que, pelos próximos 60 a 90 minutos, haverá gritos decorrentes de cenas de incontidas relações sexuais. Ali, uma condômina pratica tais atividades com vigor, aproveitando ao máximo as vindas do companheiro. Ele é tripulante de empresa aérea, e costuma, uma vez por semana, aterrissar no Portinho.

Tanto a condômina fez, tanto o parceiro faz, tanto os vizinhos reclamaram... o assunto chegou a Juízo.

Os advogados sustentaram teses antagônicas. O do condomínio escreveu que “são problemas de barulho e comportamento inadequado e ofensivos à discrição”. O defensor da ré ponderou que “o que a contestante faz, dentro de seu lar, não causa perigo algum à vizinhança”.

A juíza intimou a ré e o representante legal do condomínio para a audiência de tentativa de conciliação. Concitou os litigantes a “concessões e limitações recíprocas”. Sem sucesso.

A prova oral – cinco condôminos/as e, como tal, contraditados – confirmaram “os sons típicos a momentos íntimos, oriundos do recôndito da unidade barulhenta”.

A sentença definiu as relações sexuais como “tema polêmico, no caso específico”. Admitiu que “ninguém vive em mosteiro”. E reconheceu que “do lado da contígua parede, ou no andar acima, ou no pavimento abaixo moram crianças pequenas e idosos”. E fixou a indenização em “simbólicos R$ 5 mil”, concitando as partes “à moderação e à tolerância, em nome do bem social”.

Só o advogado da ré sustentou oralmente na corte. Com voz vigorosa, lembrou que o slogan “Faça amor, não faça guerra” foi lançado entre os anos 60 e 70. Acentuou que “se tratava da palavra de ordem de milhares de manifestantes que se opunham ao envolvimento dos Estados Unidos na guerra do Vietnã”. E assegurou: “Em um país onde predominava o puritanismo, a permissividade sexual teve o auge a partir de 1974 – hoje as relações sexuais entre pessoas livres são uma rotina saudável”.

Mantendo a sentença, o relator da apelação lembrou que “quem opta por residir em condomínios deve ter alguma condescendência a ruídos provenientes de apartamentos vizinhos – e esse é um fator a ser avaliado por quem faz tal escolha”. Mas concluiu que “no entanto, quando os incômodos que extrapolam a normalidade são frequentes - obstando o sossego e a tranquilidade dos vizinhos - os danos morais restam configurados”.

O relator também pontuou uma frase: “Em certas ocasiões, o silêncio será conveniente e respeitoso”.

A boa notícia para a vizinhança reclamante é que, nos primeiros dias após o trânsito em julgado, a condômina barulhenta mudou-se. Foi fazer decolagens e pousos sexuais em outras bandas porto-alegrenses.

Por enquanto não se sabe qual o novel endereço.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Escolha a sua senha...

 

Escolha a sua senha...

As dificuldades enfrentadas por um advogado sessentão, avesso à era digital e aos contornos on line. E a “briga” dele com seu próprio computador, quando tentou criar uma senha que contivesse a palavra JUIZ.

Charge de Gerson Kauer

Silêncio perpétuo, sem fuxicos

 

Silêncio perpétuo, sem fuxicos

“O abastado casal do interior decidiu separar-se, com recíprocas ações litigiosas. Ele, fazendeiro abastado, contratou um renomado advogado da capital, desembargador aposentado. Ela, do lar, deu procuração ao mais conceituado advogado da cidade”...

Charge de Gerson Kauer

Cuidados no uso da piscina

 

Cuidados no uso da piscina

O advogado e a promotora de justiça – ambos radicados em comarcas diferentes – viajaram em comemoração de núpcias para um hotel de luxo na Jamaica. Não imaginavam que passariam por surpresas insinuantes e também constrangedoras.

CHARGE DE GERSON KAUER – DIVULGAÇÃO EV / JC

Aviso de utilidade pública

 

Aviso de utilidade pública

Depois da separação dos conviventes, eles se encontraram ao acaso num bailão. O homem subiu ao palco, pegou o microfone do cantor da banda, e contou ao público qual fora a causa do rompimento conjugal. Saiba o que a mulher relatou depois, para o sisudo juiz, na audiência da ação de reparação por dano moral...

Charge de Gerson Kauer

Os touros campeões

 

Os touros campeões

Já às turras pelo decréscimo do calor conjugal, um casal gaúcho, de meia idade, visita uma feira agrícola na zona rural. Ali, excelentes touros reprodutores estão sendo anunciados por um leiloeiro. O que é que isso pode ter a ver com o divórcio dos dois humanos?...

Charge de Gerson Kauer

Não mais do que de repente...

 

Não mais do que de repente...

Primeira semana de março de 2020, a pandemia ainda era uma suposição distante. Há um coquetel do lançamento de um novo produto de argentário banco. Ao acaso, encontram-se um cidadão (notoriamente conhecido por sua falta de memória) e um juiz aposentado (reconhecido pelo seu nariz empinado).