Ir para o conteúdo principal

Nossa próxima edição será postada na terça-feira 1º de fevereiro de 2022
https://marcoadvogado.com.br/images/romance_forense.jpg

É proibido usar cuecas!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A petição inicial da ação trabalhista continha uma afirmativa inusitada: “O reclamante não podia usar cuecas no trabalho e era obrigado a ficar totalmente nu durante muitas das revistas”. Exercendo as funções de tesoureiro, o empregado - um homem formal e honesto, como tinha que ser para a função - foi convincente ao depor: “Ao ser submetido a constantes revistas íntimas, eu me sentia humilhado e constrangido pelos procedimentos adotados pela empresa”.

O juiz foi às minúcias ao interrogar o preposto da empresa de segurança e transporte de valores. No depoimento foi admitido que “a revista era feita numa sala anexa à guarita, na saída da tesouraria, onde ficava um vigilante”. Com detalhes: “Os empregados tinham que entrar nesse local e tirar toda a roupa; não podiam usar cuecas; às vezes, também tinham que se abaixar”.

As feições do magistrado denotaram surpresa e estupefação. O preposto continuou falando: “Na rotina de trabalho, os empregados da tesouraria só podiam usar chinelos e um macacão sem bolso e com um fecho traseiro”.

- E para ir ao banheiro, fazer pipi? – questionou o magistrado.

- Quem precisasse ir ao banheiro ou se ausentar da tesouraria, tinha sempre que passar por uma nova revista – admitiu o preposto.

- E no final do expediente? – quis saber o juiz.

- Normalmente, a revista era individual, mas às vezes era de forma coletiva, com mais de um empregado, todos nus ao mesmo tempo.

O juiz dispensou a prova testemunhal e, na sentença, justificou que “só o depoimento do preposto já é suficiente para demonstrar a abusiva conduta patronal, que dispunha de outros meios para fiscalização, como as câmeras de circuito interno”.

A sentença concluiu ser “invasivo o procedimento de obrigar o tesoureiro a trabalhar sem cuecas e a, episodicamente, ficar nu na saída de seu local de trabalho, o que serve apenas para ofender a sua intimidade”.

O julgado foi confirmado pelo TRT, rechaçando a tese defensiva de que “a prévia ciência sobre a existência da revista – informada e documentada quando da contratação do reclamante - dele retira o direito de pleitear qualquer indenização”.

A condenação por dano moral foi de R$ 30 mil.

Na corte, na vara - e até mesmo na empresa reclamada - a ação ficou conhecida como “o processo do homem que estava proibido de usar cuecas”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Chargista Duke

Papai Noel visita a sede da OAB

 

Papai Noel visita a sede da OAB

O presidente da OAB chega à sede da instituição. Ele ainda se acomoda quando a secretária adentra aflita. “Doutor, aguarda-o na recepção um senhor de paletó e gorro vermelhos, camisa social verde, gravata cinza clara. Ele diz ser o Papai Noel, mas tem jeito de advogado...”

Pinterest

Shangri-la, a capital da magistratura

 

Shangri-la, a capital da magistratura

Última semana antes do recesso, o Doutor Sofrenildo, advogado zeloso, matutava sobre as perdas do mês, a maioria delas decorrente da impossibilidade de obter seus merecidos alvarás. Um conselheiro da Ordem Internacional dos Advogados sugeriu: “Tome o rumo do Himalaia e procure achegar-se aos condomínios de Shangri-la". Assim foi feito...

Charge de Gerson Kauer

Revelação a portas fechadas

 

Revelação a portas fechadas

Sem segredo de justiça, a apelação em julgamento começa a tratar da alteração do registro civil de uma mulher que fora registrada com nome e sexo masculinos. Começa então um rosário de surpresas.

Charge de Gerson Kauer

A reprovação do estagiário

 

A reprovação do estagiário

No recrutamento de mais um auxiliar para reforçar seu gabinete jurisdicional, o desembargador resolveu aferir a rapidez da Inteligência do candidato que exibia excelente desempenho. O jovem foi, então, desafiado a descobrir em qual box da garagem estava estacionado o automóvel (de placas discretas) do presidente da corte...

CHARGE DE GERSON KAUER/DIVULGAÇÃO EV/JC

Cofrinhos femininos

 

Cofrinhos femininos

Na grande rede de lojas, um de seus gerentes era um homem quarentão que não respeitava as subordinadas mais novas. Segundo uma ação trabalhista, “ele era abusado, fazendo as funcionárias passar por situações vexatórias; chamava-as de 'gostosas'; e sempre dizia querer intimidades com o ´cofrinho feminino´”.