Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta, 4 de agosto de 2022.
(Próxima edição: terça dia 09.)
https://marcoadvogado.com.br/images/romance_forense.jpg

É proibido usar cuecas!



Imagem da Matéria

Charge de Gerson Kauer

A petição inicial da ação trabalhista continha uma afirmativa inusitada: “O reclamante não podia usar cuecas no trabalho e era obrigado a ficar totalmente nu durante muitas das revistas”. Exercendo as funções de tesoureiro, o empregado - um homem formal e honesto, como tinha que ser para a função - foi convincente ao depor: “Ao ser submetido a constantes revistas íntimas, eu me sentia humilhado e constrangido pelos procedimentos adotados pela empresa”.

O juiz foi às minúcias ao interrogar o preposto da empresa de segurança e transporte de valores. No depoimento foi admitido que “a revista era feita numa sala anexa à guarita, na saída da tesouraria, onde ficava um vigilante”. Com detalhes: “Os empregados tinham que entrar nesse local e tirar toda a roupa; não podiam usar cuecas; às vezes, também tinham que se abaixar”.

As feições do magistrado denotaram surpresa e estupefação. O preposto continuou falando: “Na rotina de trabalho, os empregados da tesouraria só podiam usar chinelos e um macacão sem bolso e com um fecho traseiro”.

- E para ir ao banheiro, fazer pipi? – questionou o magistrado.

- Quem precisasse ir ao banheiro ou se ausentar da tesouraria, tinha sempre que passar por uma nova revista – admitiu o preposto.

- E no final do expediente? – quis saber o juiz.

- Normalmente, a revista era individual, mas às vezes era de forma coletiva, com mais de um empregado, todos nus ao mesmo tempo.

O juiz dispensou a prova testemunhal e, na sentença, justificou que “só o depoimento do preposto já é suficiente para demonstrar a abusiva conduta patronal, que dispunha de outros meios para fiscalização, como as câmeras de circuito interno”.

A sentença concluiu ser “invasivo o procedimento de obrigar o tesoureiro a trabalhar sem cuecas e a, episodicamente, ficar nu na saída de seu local de trabalho, o que serve apenas para ofender a sua intimidade”.

O julgado foi confirmado pelo TRT, rechaçando a tese defensiva de que “a prévia ciência sobre a existência da revista – informada e documentada quando da contratação do reclamante - dele retira o direito de pleitear qualquer indenização”.

A condenação por dano moral foi de R$ 30 mil.

Na corte, na vara - e até mesmo na empresa reclamada - a ação ficou conhecida como “o processo do homem que estava proibido de usar cuecas”.


Mais artigos do autor

 

O adultério salvador

Charge de GERSON KAUER

O adultério salvador

A história do bem sucedido empresário quarentão, que escapou da morte na tragédia da TAM, 15 anos atrás. Foi obra dos encantos do “anjo do voo JJ-3054”, uma bem sucedida profissional liberal porto-alegrense.

 

Consulta ginecológica à moda romana

Charge de GERSON KAUER

Consulta ginecológica à moda romana

Ela era uma mulher interessante, sem exuberâncias, estava sempre perfumada, usava saltos altos, cabelos bem penteados. Um dia, ela foi ao consultório de um ginecologista que só atendia “particular”. O recôndito era decorado com objetos típicos das antigas milícias romanas.

 

Uma comarca só de advogados

Charge de GERSON KAUER

Uma comarca só de advogados

Um advogado, um juiz e um promotor conversam sobre a rotina forense, o congestionamento de cartórios, a precariedade de funcionamento dos JECs, as dificuldades para operar o processo eletrônico. “Eu exijo morar num resort” – pede o magistrado. “Eu quero uma ilha que me possa fazer lembrar o Éden” – pretende o representante do Ministério Público...

 

A suprema vibração

Charge de GERSON KAUER

A suprema vibração

A segurança do STF resolveu aplicar o que seus agentes chamam de “cana dura”. É a dica que significa ser minuciosamente exigente na revista dos pertences pessoais de todos os que chegam – mesmo os mais conhecidos e idôneos frequentadores. Vai daí que...

 

Serviços sexuais insatisfatórios

Charge de GERSON KAUER

Serviços sexuais insatisfatórios

Granjeiro do interior gaúcho, após tratar de assuntos comerciais em Porto Alegre, deu uma esticada nas bandas da avenida Farrapos. No local escolhido, sentou-se, pediu um uísque, e outros mais... A percanta combinou o preço e garantiu a excelência da voluptuosidade que prestaria...

 

Pamonha jurisdicional

Charge de GERSON KAUER

Pamonha jurisdicional

Na petição de apelação, o advogado embutiu um recado sutil: “A advocacia vem sendo desrespeitada por magistrados que não se dão ao trabalho de analisar os pleitos que apresentamos. Como somos tratados como pamonhas, informo que gostosas receitas desta iguaria oriunda do milho estão facilmente disponíveis na internet”.