Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta, 4 de agosto de 2022.
(Próxima edição: terça dia 09.)
https://marcoadvogado.com.br/images/sala_audiencias.jpg

Sambando no tribunal



Imagem da Matéria

Google Imagens

Rio de Janeiro, 40 graus, semana anterior ao carnaval e o espírito festivo já tomando conta da “Cidade Maravilhosa.”

As atividades forenses praticamente paralisadas, pois os mais atentos adotaram a cautela de não designarem nenhum ato naquela semana.

Surpreendentemente e, por descuido, uma turma do TRT deixou escapar uma pauta de julgamentos.

A advogada responsavelmente compareceu no dia anterior na secretaria da turma e obteve duas respostas importantes: 1) os julgamentos ocorreriam; 2) a ordem das sustentações seria determinada pelo momento da chegada.

Acordou cedo, vestiu-se como advogada – roupa discreta apesar de o carnaval já estar ditando a moda – dirigindo-se ao centro do Rio de Janeiro.

Deparou-se com turistas por todos os lados, bares ainda repletos por aqueles que passaram a noite cantando e bebendo alegremente.

A advogada foi a primeira a chegar e - sendo a primeira a sustentar - estaria em breve livre para ingressar no clima.

Em uma sala repleta de advogados e com a lista da sequência nas mãos, o secretario pediu a todos que aguardassem, pois logo daria início à sessão.

Passados alguns minutos, o servidor retorna e comunica que, por ordem do presidente da turma o critério fora alterado. Em suas mãos, ao invés da lista, um pequeno cesto com pedacinhos de papel. Com ar solene, ele comunica: “O excelentíssimo presidente entendeu que seria mais justo proceder a um sorteio. Retirarei nome por nome e assim teremos uma nova lista para as sustentações”.

A advogada com olhar fulminante, se aproxima do serventuário, dá um tapa na pequena cesta, provocando uma chuva de papeis, tipo confete em baile de carnaval. Logo ela começa a sambar e grita: “Diz à excelência que joguei os papeis para cima para sambar em baixo”.

O secretário com os olhos arregalados, saí às pressas e pouco depois retorna proclamando: “A sessão está suspensa e uma nova pauta será designada”.

Enquanto isso, nas ruas já era possível ouvir o som dos blocos, das músicas carnavalescas e da alegria tomando conta.


Mais artigos do autor

 

O conto do corregedor

Bruno Agostini/Google Imagens

O conto do corregedor

O ingresso na carreira da magistratura, especialmente para os jovens inexperientes, é sempre um desafio e um desvendar de um mundo desconhecido. O exercício inicial, ao menos até algum tempo atrás, era repleto de temores e desconfianças.

 

Era uma vez um conto chinês

Arte EV sobre imagem Freepik

Era uma vez um conto chinês

“No avião indo para Brasília, à minha frente estavam dois advogados, trocando experiências profissionais. Um deles, o mais animado, revelava orgulho em acompanhar processos nos tribunais superiores. Já o outro, com mais tempo na profissão, apontava segredos da Capital Federal”...

 

A OAB parada no tempo

Camera Press

A OAB parada no tempo

“Uma digressão comparativa com os tempos da advocacia dos anos 70 e 80. Há um enorme vácuo na atuação da Ordem, que permite gravíssimos desvios no Judiciário. Em resumo, há uma tolerância obsequiosa e recíproca entre a representação da advocacia e a da magistratura”.

 

Brasil com déficit de civilidade

Imagem Camera Press

Brasil com déficit de civilidade

“Tornou-se moda o uso de mochilas, verdadeiros ´anexos às pessoas. Ocorre que alguém que usa mochila se vira - especialmente dentro dos aviões e dos ônibus - provoca uma verdadeira agressão no outro, um mochilaço...